F1

McLaren confirma que Alonso fica no hospital para ter “recuperação pacífica” e que acidente foi provocado por forte vento

A McLaren divulgou um comunicado na tarde desta segunda-feira para informar que Fernando Alonso passa bem e seguirá se recuperando no hospital do acidente que sofreu durante os testes da F1 em Barcelona. Equipe assegurou “categoricamente” que não houve nenhum tipo de falha mecânica no carro

Warm Up, de Barcelona / RENAN DO COUTO, de Barcelona
A McLaren divulgou na tarde desta segunda-feira (23) um novo comunicado sobre o acidente de Fernando Alonso. A equipe informou que o piloto passa bem, mas vai continuar em observação no hospital para ter uma "recuperação pacífica" e apontou o vento forte como causa do acidente.

O time também negou "categoricamente" que houve qualquer tipo de falha mecânica no carro do piloto antes do acidente na curva 3 do Circuito da Catalunha. A batida aconteceu por volta das 8h25 (de Brasília) deste domingo e teve o espanhol sendo transportado de helicóptero para o hospital.


Essa última informação é extremamente importante para ajudar a entender o que causou a batida que Sebastian Vettel, que estava atrás do asturiano na pista, viu e definiu como “estranha”. Vinha se suspeitando, inclusive, que uma falha no ERS do carro teria provocado um choque em Alonso e o deixado inconsciente. O time assegurou que este não é o caso e fez uma descrição do acidente conforme suas investigações.
 
O relato é de que o carro saiu da pista na parte externa da curva 3 e perdeu tração ao passar por cima do chamado ‘Astroturf’, então ricocheteou para a direita e voltou para o asfalto antes de sair novamente do traçado e acertar lateralmente o muro interno.
 
“Nossos dados indicam que o acidente foi causado pelos ventos fortes e imprevisíveis naquela parte do circuito, o que afetou outros pilotos”, destacou a McLaren, mencionando o acidente sofrido por Carlos Sainz na mesma curva.
 
“Podemos categoricamente afirmar que não há evidência que indica que o carro de Fernando sofreu uma falha mecânica de qualquer tipo. Também podemos confirmar que não houve perda de pressão aerodinâmica. Finalmente, também nos certificamos de que nenhuma descarga elétrica ou irregularidade de qualquer tipo ocorreu com o ERS do carro, antes, durante ou depois do incidente”, destacou.
 
Um fotógrafo espanhol presente naquele ponto do circuito relatou que viu os fiscais se aproximarem do carro de Alonso e baterem no capacete esperando uma reação do piloto. Mas a McLaren assegura que seu piloto não perdeu consciência.
 
“Este último ponto refuta os rumores errados que se espalharam de que Fernando estava inconsciente por uma falha elétrica. Isso simplesmente não é verdade. Nossa telemetria mostra claramente que ele estava reduzindo as marchas enquanto pisava com toda a força no freio até o momento do primeiro impacto, algo que claramente não seria possível se ele estivesse inconsciente”, acrescentou.

A teoria do choque ganhou força por causa das falhas apresentadas pelo MP4-30 na vedação do MGU-K na quinta-feira e no sábado, necessitando a substituição das peças. Há, no entanto, fotos que mostram a luz verde acima da cabeça do piloto indicando aos fiscais que o carro está seguro e pode ser tocado. Engenheiro-chefe de testes da Williams, Rod Nelson chegou a ser perguntado a respeito da possibilidade e disse que era bastante improvável. “Eu também posso levar um choque no meu carro de rua”, comentou o britânico.
O VENTO


De fato, o vento era forte em Monmeló no domingo. Em alguns momentos, tinham velocidade acima de 20 km/h. Carlos Sainz Jr., da Toro Rosso, explicou após sofrer um acidente na mesma curva 3 que esse fator deixava os carros bastante instáveis. “Hoje, tinham ventos muito fortes e isso não facilitou a nossa vida. Ventos muito inconstantes, muito fortes, isso, com certeza, não é fácil para um piloto”, descreveu. Nico Rosberg, que rodou na curva 5 pela manhã, também mencionou: “Hoje foi um dia difícil, porque estava ventando muito e às vezes era bem difícil entender o comportamento do carro. Cada curva era diferente e mudava a cada vez em que se entrava na pista". (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
 
Alonso foi levado de ambulância até o Centro Médico do Circuito da Catalunha e, por volta das 13h20 (horário local), transferido de helicóptero para o Hospital General de Catalunya, nos arredores de Barcelona. Àquela altura, a palavra oficial da FIA e da McLaren era de que ele estava consciente e falante e apenas precisava passar por mais testes. “Procedimento padrão”, resumiu o diretor de comunicação, Matteo Bonciani.
 
De acordo com o mais recente comunicado da McLaren, novos exames estão sendo realizados e ele precisa seguir no hospital em observação para que possa ter uma “recuperação pacífica”. O time também confirmou que o piloto chegou a ser sedado durante o domingo. Houve relatos de que ele estava agitado e, segundo seu pai falou aos jornalistas logo após vê-lo no Centro Médico, Fernando estava “confuso”. 
 
“Temos a intenção de lhe dar todas as chances de ter uma recuperação rápida e completa e vamos avaliar nos próximos dias se ele vai ou não participar do próximo teste em Barcelona”, acrescentou a equipe. A terceira e última bateria de testes da pré-temporada está marcada para os dias 26 de fevereiro a 1º de março.

Por volta do meio-dia (de Brasília), o empresário Luis Garcia Abad postou no Twitter uma foto do espanhol no hospital. Ainda não há previsão para alta.