Mercedes ameniza título de “campeã do resto” e reitera que foco é “vencer GPs por mérito”

Toto Wolff declarou que não importa em qual posição a Mercedes vai terminar o Mundial de Construtores desse ano, desde que volte a vencer corridas sem depender dos problemas das adversárias

A Mercedes continua em sua busca implacável para volta a vencer na temporada 2022 da Fórmula 1, e essa tem sido a principal motivação da equipe, de acordo com Toto Wolff. Quanto ao crescimento no Mundial de Construtores e a chance de ser a “primeira perdedora” da tabela — numa alusão ao segundo lugar —, o chefe das Flechas de Prata admitiu que isso é o de menos, no momento.

Nas últimas corridas, o time de Brackley deu uma boa arrancada na classificação graças às boas performances de Lewis Hamilton e George Russell, figurando entre os cinco primeiros colocados. O heptacampeão, aliás, conquistou cinco pódios consecutivos, e a Mercedes agora aparece a apenas 30 pontos da segunda colocada, a Ferrari.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Hungaroring reservou a primeira pole da carreira de George Russell (Foto: AFP)

Um resultado bastante expressivo para quem no início de 2022 dependia dos problemas das rivais, mas Wolff afirmou que a posição final na tabela pouco importa, desde que a equipe volte a brigar para valer por vitórias. E ainda brincou, dizendo que “segundo é o primeiro perdedor”.

“Para mim, pessoalmente, ser segundo ou terceiro no Mundial de Construtores não é tão relevante comparado a estar na frente e desenvolver o carro para que possamos vencer corridas por mérito”, disse o austríaco. “[O objetivo é] Vencer as Ferrari, vencer a Red Bull e se preparar para o próximo ano, em vez de realmente nos preocuparmos com a posição no campeonato”, salientou.

O grande trunfo da Mercedes frente às ponteiras é a alta confiabilidade do W13, ao contrário da F1-75 e do RB18, que já deixaram seus respectivos pilotos na mão em várias ocasiões na temporada. Em termos de pódios, Russell tem quatro e Hamilton, seis — e muitos desses foram conquistados justamente por conta de quebras das rivais.

Wolff reconheceu a importância dos resultados, mas admitiu que “preferia ter mais vitórias e menos pódios”, e ainda completou: “Estamos mantendo a humildade, porém nos esforçando para vencer corridas em vez de terminar em segundo e terceiro. Mas se esses lugares forem conquistados por mérito, como hoje [na Hungria], então é um bom passo à frente”, finalizou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar