Mercedes dá ultimato ao diretor-técnico da equipe

Mike Elliot tem até maio para resolver problemas apresentados pela Mercedes. WGP falou sobre os problemas do time multicampeão

Depois de atravessar uma temporada cheia de dificuldades em 2022 por conta de um projeto extremo com o W13, a Mercedes ainda insistiu no mesmo conceito aerodinâmico e, embora tenha sido capaz de resolver algumas das principais falhas do modelo do ano passado, os sinais não parecem animadores. O GP do Bahrein, que abriu o campeonato, revelou a fragilidade do W14 em termos de performance e já preocupa a equipe, que pensa em uma versão B do modelo.

O caso é que Toto Wolff, o chefão da equipe oito vezes campeã do mundo, teceu críticas sérias ao projeto de 2023 e disse que o conceito do sidepod zero “é um erro”. E segundo o engenheiro Andrew Shovlin, a esquadra vai mesmo promover mudanças radicais neste início de temporada.

Relacionadas


Shovlin explicou que a Mercedes enfrentou três problemas graves em Sakhir. O ritmo de classificação e corrida ficou bem abaixo do esperado. A configuração das asas também foi falha. Mas o que chamou a atenção também foi a degradação excessiva dos pneus.

Por isso, entende-se que a equipe alemã deu um ultimato ao diretor-técnico Mike Elliot. As atualiações que estão previstas para Ímola, em maio, precisam funcionar e devem transformar o W14.

O WGP desta quinta-feira (9) debateu os problemas da multicampeã.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.