Mercedes diz estar em “plena capacidade” e rejeita hipótese de fornecer motores para Red Bull

Diferente da Ferrari, a Mercedes não tem interesse em fornecer motor para a Red Bull. A equipe austríaca atravessa uma fase conturbada pela falta de performance das unidades da Renault

Ao contrário da Ferrari, a Mercedes não tem o interesse em fornecer motores para a Red Bull em um futuro próximo. Na semana passada, o presidente da marca italiana afirmou que ficaria contente em firmar um acordo técnico com a rival austríaca, que atualmente atravessa uma fase de poucos resultados em função da falta de desempenho das unidades fabricadas pela Renault, tradicional parceira do time de Milton Keynes.

Chefe da esquadra prateada, Toto Wolff descartou a ideia de uma eventual associação com a adversária. "Estamos em plena capacidade", disse o dirigente à agência austríaca 'APA'.

Na verdade, a Mercedes, que possui uma das mais fortes unidades V6 do grid, está comprometida com três equipes, além do próprio time de fábrica. Ao todo, Williams, Force India e Lotus também disputam o campeonato empurradas pelos potentes motores alemães.

Toto Wolff descartou interesse em fornecer motores à Red Bull (Foto: Getty Images)

"Quatro equipes, incluindo a nossa, é o máximo que podemos fazer agora", continuou Wolff. "Então, no momento, estamos felizes com o que temos", completou o austríaco.

A Red Bull atravessa um ano irregular mais uma vez em 2015. Os problemas de confiabilidade dos motores da Renault já geraram troca de críticas públicas entre a equipe chefiada por Christian Horner e a fabricante francesa.

No momento, o time de Dietrich Mateschitz possui apenas 55 pontos, contra 328 da Mercedes. O melhor resultado até aqui foi o quarto lugar de Daniil Kvyat em Mônaco.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube