Mercedes e Red Bull mudam sistema de suspensão, e FIA mostra esperança em ter fim de semana sem protestos na Austrália

Charlie Whiting acredita que não haverá protestos das equipes sobre o sistema de suspensão dos novos carros, sobretudo de Mercedes e Red Bull, colocadas sob suspeita depois que a Ferrari pediu uma investigação por parte da FIA por entender que o dispositivo poderia ajudar no desempenho aerodinâmico. O diretor da entidade disse que está monitorando outra polêmica levantada na pré-temporada: a queima de óleo

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Uma das primeiras polêmicas da F1 em 2017 foi levantada pela Ferrari, que pediu esclarecimento por parte da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) em razão aos novos sistemas de suspensão da F1. Tanto Mercedes como a Red Bull desenvolveram seus carros para a nova temporada da F1 com uma suspensão semelhante ao FRIC (dianteira e traseira interconectada, na tradução literal), banido do esporte em 2014, sendo um sistema capaz de conectar suspensão dianteira e traseira, mas sem ligação direta. A Ferrari alegou que o recurso poderia resultar em ganho aerodinâmico para os novos carros. Mercedes e Red Bull garantiram a legalidade dos seus modelos.

 
Tão logo as equipes apresentaram seus carros para a temporada 2017 e os colocaram na pista nos testes de pré-temporada, a FIA tratou de inspecionar os sistemas de suspensão para encontrar possíveis irregularidades. E, após examinar o RB13 da Red Bull e o W08 EQ Power+ da Mercedes, chegou à conclusão de que tais sistemas teriam de ser revisados, afirma o site norte-americano ‘Motorsport.com’. As duas equipes realizaram as mudanças necessárias antes dos trabalhos de pista neste fim de semana em Melbourne, palco do GP da Austrália, o primeiro da temporada 2017 da F1.
 
Desta forma, Charlie Whiting, diretor de corridas da FIA, acredita que não haverá protestos ao longo dos próximos dias a respeito dos novos sistemas de suspensão em Albert Park.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A FIA espera não ter protestos sobre os sistemas de suspensão neste fim de semana na Austrália (Foto: Mercedes)
O britânico esclareceu a polêmica e deixou claro que a FIA não vai permitir que sistemas de suspensão possam contribuir para o ganho aerodinâmico dos carros.
 
“Não é permitido ter um sistema de suspensão que afete o rendimento aerodinâmico do carro em qualquer outra maneira que não seja acidental. Não permitimos. Esse é o foco que estamos tomando. Queríamos ver se a suspensão cumpre com essa função ou se está aí predominantemente para o funcionamento aerodinâmico do carro. Essa é a mudança. Nós nos concentramos muito mais nisso”, disse Whiting.
 
“Se um sistema de suspensão se comporta assimetricamente, então não há um motivo muito justificável para se comportar assim. De modo que se um sistema de suspensão abaixa diante de uma velocidade e volta com uma velocidade distinta, então realmente não deveria haver nenhum motivo para isso. Se eles não conseguem nos convencer disso, então eles não conseguem utilizá-lo”, declarou.
 
Após o início dos trabalhos de inspeção feito pelos delegados técnicos da FIA, a expectativa de Whiting é que o fim de semana seja livre de protestos sobre os novos sistemas de suspensão. “Até agora está tudo bem. Marcin Budkowski e Jo Bauer trabalharam muito em Barcelona revisando todos os sistemas, e o que inspecionamos até agora foi como o esperado. Não esperamos nenhum problema”, declarou.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A FIA também esclareceu outra polêmica, que diz respeito sobre a queima de óleo nesta temporada. A Red Bull chegou a pedir esclarecimentos sobre a FIA de que fabricantes de motor estão queimando óleo como combustível, procedimento que permitiria um ganho na performance geral da unidade de potência. Toto Wolff, chefe da Mercedes, se defendeu e disse que a Red Bull estaria “vendo fantasmas” diante da questão.

 
“Estamos monitorando, seguramente. Tivemos muito trabalho em Barcelona. Vamos inspecionar todos os sistemas de óleo aqui e vamos verificar de forma aleatória o consumo de óleo para garantir que não estão usando-o como combustível”, declarou Whiting.
 
O GRANDE PRÊMIO transmite todas as atividades do GP da Austrália de F1 neste fim de semana. Acompanhe tudo AO VIVO e em TEMPO REAL, com a estreia do livetiming.
 

PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube