F1

Mercedes rasga elogios ao novo campeão Rosberg, mas admite: “Quebra de motor na Malásia custou título a Hamilton”

Toto Wolff exaltou a performance do Mercedes W07 Hybrid, que permitiu à equipe de Brackley conquistar nada menos que 19 vitórias em 21 corridas na temporada. O austríaco admitiu também que a quebra de motor na Malásia foi decisiva para Lewis Hamilton perder o título, mas o revés não o impede de reconhecer a grande conquista de Nico Rosberg, o novo campeão mundial de F1

Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 

A quebra de motor no carro de Lewis Hamilton no GP da Malásia, quando estava a dez voltas de conquistar uma vitória tranquila e perto de voltar para a liderança do campeonato, foi decisiva para a perda do título mundial. Quem diz é o dirigente máximo da Mercedes, Toto Wolff. Por outro lado, o dirigente rasgou elogios ao novo campeão do mundo, Nico Rosberg, e destacou também a performance soberana do Mercedes Hybrid W07, que permitiu ao time vencer nada menos que 19 das 21 corridas do calendário, sendo dez com Hamilton e nove com Rosberg.
 
No fim das contas, o revés na Malásia acabou por impedir Hamilton de somar 25 pontos, que foram decisivos na definição do título. Ao cruzar a linha de chegada do GP de Abu Dhabi na frente, com Rosberg logo atrás, Lewis chegou aos 380 pontos, cinco a menos em relação ao rival. O sonho do tetra de Hamilton vai ficar mesmo para 2017.
Revés de Hamilton em Sepang foi determinante para os rumos do campeonato (Foto: Reprodução/Facebook)
“Neste ano, claramente, a Malásia custou o título a Lewis. Está claro. Porém, por outro lado, estamos discutindo os últimos dez minutos sobre Lewis sem reconhecer a conquista de Rosberg de competir contra o piloto e companheiro de equipe mais talentoso e ser campeão, além de ter ficado perto nos anos anteriores”, ressaltou.
 
“É uma grande conquista e acho que devemos honrá-lo porque é algo muito difícil. Há traços muito marcantes do seu caráter, que o convertem em um digno campeão do mundo”, disse Wolff.
 
O dirigente austríaco também ressaltou a capacidade do carro da Mercedes e, embora saiba que nem sempre tudo tenha saído como o esperado, os motivos para comemorar são muito maiores que as ocasiões para lamentar, como o ocorrido com Hamilton no circuito de Sepang.
 

“Acho que você deve ganhar e deve perder com dignidade. Este é um esporte mecânico, de modo que se eles sentarem no chão no grid de largada, não vão muito longe”, salientou.
 
“Esta equipe construiu o melhor carro durante os últimos três anos, e deu a eles a chance de vencer corridas e títulos, e esta equipe pode não ter correspondido em alguma ocasião, mas bem menos do que as vezes em que os fizeram comemorar”, complementou o chefe da Mercedes. A escuderia fechou o Mundial de Construtores de 2016 com 765 pontos, quase 300 a mais que a vice-campeã, a Red Bull, com 468.