Mercedes revela que cogitou pedir que Hamilton deixasse Bottas passar no Japão

A estratégia de uma parada só funcionava tão bem para Lewis Hamilton que houve a chance real de saltar de terceiro para primeiro, superando até mesmo Valtteri Bottas, o que não era desejado. A Mercedes ficou em dúvida sobre o que fazer a respeito disso e considerou até mesmo usar ordens de equipe

A Mercedes teve dificuldades para tomar decisões estratégicas no GP do Japão deste domingo (13). A equipe queria preservar a vitória do líder Valtteri Bottas, mas ao mesmo tempo em que tentava alçar Lewis Hamilton ao segundo lugar e se defender de um ataque de Sebastian Vettel. Dessa forma, Toto Wolff chegou perto de pedir que Hamilton abrisse caminho para Bottas na reta final da prova.
 
A situação era delicada por si só. A estratégia de uma parada de Hamilton parecia funcionar melhor que a de duas de Bottas. Ao invés de subir para segundo e superar Vettel, o britânico parecia capaz de ir para a vitória. Nesse cenário, os prateados podiam forçar Lewis para a estratégia de duas paradas ou aplicar ordens de equipe. A primeira opção prevaleceu.
 
“Foi complicado. Foram muitas decisões complicadas nessa corrida”, disse Wolff. “Óbvio que o Valtteri não vacilou desde a largada, quando o Seb [Vettel] deu uma empacada, o que acabou sendo o momento decisivo da corrida. Ter o Lewis em terceiro sempre foi uma situação difícil. Quando você lidera, você precisa proteger sua posição. Se você é terceiro, você pode arriscar mais e tentar mais. O que nós fizemos foi proteger a liderança com o Valtteri e tiramos ritmo da corrida dele quando o Sebastian parou pela segunda vez”, seguiu.
Valtteri Bottas chegou perto de ver Lewis Hamilton abrindo caminho (Foto: Mercedes)

“Sempre esteve claro que a corrida estava indo a favor do Valtteri. Não colocamos os companheiros um contra o outro com estratégias, mas aí você também pode dizer que a gente poderia garantir o segundo lugar. Acho que parar o Lewis no fim era uma decisão 50-50. A gente poderia deixa-lo na pista e tentar pedir para os pilotos trocarem de posição para voltar a ter o resultado [vitória do Bottas] e talvez nos proteger do Sebastian. Mas, por outro lado, talvez isso não fosse se proteger do Sebastian. Parar e dar a ele um novo set de pneus foi a decisão a ser tomada e, naquele momento, pareceu a decisão certa”, seguiu.

 
Ao colocar Hamilton em uma estratégia de duas paradas, o britânico caiu de primeiro para terceiro. O sonho da dobradinha passava a depender exclusivamente do braço do pentacampeão. Apesar da pressão nas voltas finais, Vettel sustentou a segunda colocação até o fim. O resultado, entretanto, não impediu a Mercedes de celebrar o sexto título consecutivo no Mundial de Construtores.


 
Paddockast #37
GRANDES RIVALIDADES INTERNAS 

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube