Mercedes tem orçamento de quase R$ 2 bilhões para temporada 2018. Lanterna, Force India gasta quatro vezes menos

De acordo com a revista alemã ‘Auto Bild’, Mercedes e Ferrari lideram a lista das equipes com maior orçamento previsto para 2018, ultrapassando a casa de € 400 milhões (ou R$ 1,6 bilhão). A relação surpreende com a posição da Force India, quarta colocada no Mundial de Construtores nos dois últimos anos, em décimo e último lugar, gastando ‘apenas’ R$ 445 milhões, menos de quatro vezes as cifras desembolsadas pela Mercedes

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Assim como aconteceu no ano passado, Mercedes e Ferrari despontam como as grandes protagonistas da temporada 2018 da F1. E a julgar pelo orçamento previsto pelas equipes, é fácil explicar tal condição. 

 
Segundo estudo publicado pela revista alemã ‘Auto Bild’, as duas equipes são as únicas com previsão de gastar acima dos € 400 milhões (ou R$ 1,6 bilhão) ao longo da temporada. Há um verdadeiro abismo das ponteiras com as últimas colocadas. A Force India, quarta colocada no Mundial de Construtores nos dois últimos anos, ocupa a surpreendente décima e derradeira posição, com orçamento previsto de ‘apenas’ R$ 445 milhões, menos de quatro vezes as cifras gastas pela Mercedes, que encabeça a lista
 
A escuderia tetracampeã do mundo lidera o ranking dos orçamentos da F1 para a temporada 2018 e tem previsão de gastar € 450 milhões, ou R$ 1,825 bilhão. A Ferrari vai gastar só um pouco menos: € 430 milhões, ou R$ 1,74 bilhão.
Melhor do resto nos Construtores, a Force India faz 'milagre' e gasta muito menos que suas rivais na F1 (Foto: Force India)
Terceira força da F1, a Red Bull também ocupa o terceiro lugar na ordem dos orçamentos da F1, com € 350 milhões previstos para gastar em 2018, ou R$ 1,4 bilhão. Mesmo sem contar com um patrocinador-máster desde 2014, a McLaren segue muito forte financeiramente e tem previsão de desembolsar cerca de € 250 milhões (pouco mais de R$ 1 bilhão). E a Renault surge em quinto lugar na lista, com € 200 milhões (R$ 810 mi).
 
O segundo grupo é formado pelas cinco equipes com orçamentos mais parecidos e bem mais modestos em relação às outras cinco poderosas do grid da F1. A diferença entre o que pretende gastar a Sauber, sexta na listagem, é de € 25 milhões (R$ 101 milhões) para as duas últimas, Haas e Force India.
 
A equipe suíça aparece com o mesmo orçamento previsto pela Williams para 2018, € 135 milhões, ou R$ 547 milhões. A Toro Rosso vem em seguida, com € 125 mi (R$ 506 milhões). Haas e Force India fecham a lista com a disposição de gastar ‘apenas’ R$ 445 milhões.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A diferença brutal de orçamento entre as equipes poderosas do grid e as ditas pequenas se faz presente sobretudo durante a temporada, uma vez que os times mais endinheirados têm maiores recursos de desenvolver seus carros e levar vantagem sobre as adversárias. É justamente sobre essa disparidade que o Liberty Media trabalha, com a intenção de adotar um teto orçamentário para tornar o esporte mais equilibrado.

 
A medida, contudo, encontra forte resistência justamente das protagonistas do grid, Ferrari e Mercedes. A ideia do Liberty Media é estabelecer um limite orçamentário variando entre € 150 milhões e € 200 milhões, menos da metade do que as duas maiores forças da F1 na atualidade desembolsam ao longo da temporada.
”VOCÊ TEM DE RESPEITAR”

EMOÇÃO GENUÍNA DE BARRICHELLO É EXEMPLO DE MOTIVAÇÃO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube