Mesmo com vitória dominante no Canadá, Hamilton mantém pés no chão: “Ainda não nos livramos de todos os problemas”

Após vencer o GP do Canadá de forma dominante, Lewis Hamilton destacou o esforço da Mercedes para dar a volta por cima depois do revés sofrido há duas semanas em Mônaco. Mas o tricampeão do mundo não se ilude e acredita que a Ferrari segue sendo forte e que a etapa de Montreal foi apenas um ponto fora da curva

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Lewis Hamilton só faltou fazer chover no fim de semana do GP do Canadá. Conquistou uma pole-position histórica, se emocionou, liderou todas as voltas da corrida do último domingo (11), venceu e ainda garantiu a volta mais rápida. Uma performance dominante e que o aproximou novamente do líder do campeonato, Sebastian Vettel. Mas o próprio Hamilton não se engana e acredita que a Mercedes ainda não está no topo da sua forma. E lembrou que a Ferrari teve um fim de semana fora da curva — o seu primeiro sem pódio na temporada 2017.

 
“Acho que nós realmente nos reforçamos, entendemos melhor o carro, e espero que possamos colocá-lo no mesmo nível nas próximas corridas. Também sabemos agora, depois da última corrida, como desenvolver o carro para avançar, e acho que isso vai fazer a diferença para conquistar o título”, disse o tricampeão do mundo à emissora Sky Sports, não sem antes reforçar que segue cauteloso.
 
“Não acho que nos livramos de todos os problemas que tivemos. Entendemos os pneus, nós os usamos bem melhor neste fim de semana, mas você não pode resolver tudo em duas semanas, de modo que, em relação ao desenvolvimento, os caras lá na fábrica têm um objetivo melhor: eles podem trabalhar para alcançá-lo”, ponderou.
Lewis Hamilton não se ilude com a grandiosa performance no GP do Canadá (Foto: Mercedes)
Vettel teve um domingo complicado. Depois de largar em segundo, o alemão perdeu posições e levou um toque da Red Bull de Max Verstappen, o que danificou a asa dianteira da sua Ferrari. Seb caiu para último após um pit-stop que não estava programado, mas foi subindo o pelotão e, nas voltas finais, travou grande disputa com os carros da Force India e minimizou os prejuízos, finalizando em quarto.
 
Foi a primeira vez que Vettel não terminou no top-3 no ano, mas Hamilton sabe que a forma da Ferrari como um todo foi uma exceção no Canadá.
 
“A Ferrari continua muito rápida. Eles foram constantes durante todo o ano. Este foi o único fim de semana em que não tiveram o melhor resultado, mas não foram sétimos como nós fomos, de modo que eles estão aí e vão continuar sendo difíceis de vencer”, disse o piloto.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Mercedes trabalhou arduamente para resolver todos os problemas após o fim de semana do GP de Mônaco: “Trabalhamos 24 horas por dia durante dez dias seguidos e ninguém tirou um dia de folga. Não há Flechas de Prata neste esporte. É tudo questão de analisar os dados e tirar conclusões. Comprovamos isso em todas as áreas: aerodinâmica, equilíbrio mecânico, pneus e a forma como os pilotos guiam o carro”, declarou Toto Wolff, chefe da Mercedes.

 
Todo o empenho foi destacado por Hamilton, que dedicou seu êxito no Canadá ao esforço da Mercedes. “Acho que, nesses cinco anos em que estou com a equipe, nunca tinha visto todos trabalhando tão bem juntos e por uma mesma causa. O carro volta a estar na posição em que deveria estar, mas não significa que vai ser assim o tempo todo. Mas sabemos em que rumo precisamos desenvolver o carro de agora em diante”, finalizou Hamilton.
A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube