Mestre em Monza, Schumacher coloca Mercedes na frente no 1º treino do GP da Itália. Massa é 5º

O maior campeão de todos os tempos foi quem ditou o ritmo na abertura dos trabalhos na pista de Monza, palco do GP da Itália, 13ª etapa do Mundial de F1. Com Michael Schumacher em primeiro e Nico Rosberg em terceiro, a Mercedes começou forte o fim de semana. Felipe Massa ficou na quinta colocação, logo atrás de Fernando Alonso

► As imagens desta sexta-feira da F1 na Itália

Onde já fez a festa em cinco oportunidades, Michael Schumacher voltou a terminar uma sessão na primeira posição na F1. Valendo-se da velocidade de reta da Mercedes, o veterano alemão registrou a melhor volta do primeiro treino livre do fim de semana do 13º fim de semana do Mundial de 2012, nesta sexta-feira (7).

Schumacher assumiu o primeiro lugar na metade da sessão realizada na manhã italiana e nunca mais foi superado por ninguém. Quem mais se aproximou do tempo de 1min25s422 estabelecido pelo germânico foi o inglês Jenson Button, da McLaren. Mas usar o verbo 'aproximar' chega a ser uma hipérbole: a diferença entre ele e o heptacampeão mundial foi de 0s301.

 

Michael Schumacher lidera primeiro treino livre em Monza (Foto: Getty Images)

Comprovando a força da Mercedes em circuitos de alta velocidade, Nico Rosberg andou rápido no fim e garantiu o terceiro lugar. O vencedor do GP da China também não foi capaz de se aproximar de Schumacher.

Na sequência da folha de tempos aparecem os dois carros da Ferrari. Primeiro, em quarto lugar, Fernando Alonso. Apenas 0s061 atrás, Felipe Massa completou o top-5. O espanhol, porém, não conseguiu chegar ao fim da hora e meia de pista, deixado na mão que foi por sua F2012. O líder do Mundial precisou abandoná-la no fim da reta dos boxes e voltou à pé para a garagem.

Dentre os postulantes ao título ainda não citados, Lewis Hamilton e Kimi Räikkönen chegaram a liderar, mas terminaram em sexto e sétimo, respectivamente. Não tão rápida, a Red Bull viu Mark Webber cravar somente a nona melhor marca da sessão, enquanto Sebastian Vettel ficou no 11º lugar.

O dia que entrou na história brasileira como o Dia da Independência – há 190 anos que Dom Pedro I bradava as famosas palavras “Independência ou morte” às margens do Ipiranga – também fica marcado, para a F1, como o dia da primeira vez em que um chinês entrou na pista em uma sessão oficial da categoria. Com uma HRT em mãos, porém, Ma Qing Hua não conseguiu fazer muito e terminou na última posição, a distantes 5s8 de Schumacher e a 1s9 de Pedro de la Rosa, o 23º colocado.

Confira como foi o primeiro treino livre para o GP da Itália

O primeiro treino livre antes do GP da Itália começou como tantos outros durante a temporada, exceto pela presença de um estreante que se tornou a grande atração da manhã desta sexta-feira (7). Faz tempo que a China bate à porta da F1, mas foi apenas neste fim de semana, com Ma Qing Hua – antes de Zhizao entrar em campo pelo Corinthians – que o país viu sua bandeira aparecer pela primeira vez no resultado de uma sessão oficial da categoria máxima de automobilismo. Quem ficou de fora para lhe dar lugar foi o indiano Narain Karthikeyan.

Além de Hua, ou Ma, como aparece nos caracteres da transmissão da TV, outro piloto voltou a entrar em cena na F1. Substituindo Romain Grosjean, suspenso por uma corrida, Jérôme D’Ambrosio, terceiro piloto da Lotus, ocupava o cockpit do francês. Além disso, Valtteri Bottas e Jules Bianchi, como de costume, estavam ao volante dos carros de Bruno Senna e Paul di Resta, respectivamente.

Luz verde, e lá foram os pilotos para as tradicionais voltas de instalação, só para testar se tudo estava funcionando direitinho. Logo, todos retornaram aos boxes.

A primeira volta cronometrada foi de um piloto que vive um momento de incerteza com relação a seu futuro. De McLaren, Lewis Hamilton entrou na pista e registrou 1min31s028. Instantes depois, Felipe Massa bateu o tempo do britânico em quase 3s, ao andar na casa de 1min28s3. Aí veio Charles Pic, que, sozinho, não se preocupou em virar rápido e cravou apenas 2min08s214.

E veio o primeiro grande momento. Junto de Kimi Räikkönen, o chinês saiu à pista para cronometrar sua primeira volta na F1. O finlandês, que estava a frente, foi rápido e se colocou na primeira linha da folha de tempos. Ma foi 11s mais lento que Kimi.

Novas tentativas vieram na sequência, e ele começou a melhorar suas marcas. Primeiro, em 3s, depois, em 1s5. Apesar do progresso, era preciso quebrar a barreira dos 6s que o separavam do melhor da sessão.

Pouco depois da volta de Räikkönen, Hamilton tratou de retomar a primeira posição. Passados 30 minutos, a ordem era Hamilton, D’Ambrosio, Räikkönen, Daniel Ricciardo, Jean-Éric Vergne, Massa, Nico Rosberg e Fernando Alonso.

O espanhol, no entanto, não estava contente com o décimo lugar. Líder do campeonato, Alonso queria ocupar a primeira posição, e o fez. Mas não por muito tempo. Onde já venceu em cinco oportunidades, Michael Schumacher também quis ter seus momentos primeiro colocado e subiu para primeiro. Jenson Button foi para segundo.

Demorou 45 minutos, ou meia sessão, para que todos os pilotos completassem voltas cronometradas em Monza. Como de costume, a Red Bull demorou e foi uma das últimas, com seus dois pilotos. Sem pressa alguma, Sebastian Vettel chegou a ficar atrás do chinês, mas conseguiu um desempenho mais decente logo na sequência.

Falando em Ma, ele melhorava seu tempo de volta. Com 1min31s239, já estava a menos de 2s do penúltimo colocado, que era o primeiro piloto da HRT, Pedro de la Rosa. Não era um desempenho lá tão ruim se comparado ao do dono da segunda vaga do time, Karthikeyan. Ma foi superado mais tarde, mas chegou a ser o piloto com o maior número de voltas, 22.

 

Ma Qing Hua faz sua estreia na F1 (Foto: HRT)

A seis minutos do fim do treino, para a tristeza dos tifosi presentes a Monza nesta sexta-feira, Fernando Alonso parou na área de escape da Variante del Rettifilo, a primeira das três famosas chicanes do circuito. Pela segunda vez em cinco dias, o espanhol precisou descer de sua Ferrari e percorrer o caminho de volta até os boxes a pé.

Instantes depois, outra bandeira amarela precisou ser acionada novamente, desta vez, para Pastor Maldonado. Mas, calma, o venezuelano não bateu. Assim como aconteceu com Alonso, seu carro pifou. O problema da Williams, segundo o time informou no Twitter, foi hidráulico.

Nos minutos finais, Rosberg conseguiu subir para o terceiro lugar. Com um motor potente e reconhecidamente forte em circuitos de alta velocidade, a Mercedes tinha dois carros no top-3. Lá atrás, Webber conseguiu melhorar, mas não muito. Terminou em nono. Vettel também não foi rápido e ficou com o 11º lugar.

E foi isso. Nada de Schumacher desbancado. Button seguiu em segundo, também inalcançável. Alonso e Massa ficaram em quarto e quinto. Hamilton e Räikkönen concluíram na sequência, com Sergio Pérez em oitavo. Maldonado ainda conseguiu ficar em décimo. O segundo treino livre terá início às 9h (de Brasília) desta sexta-feira.

F1, GP da Itália, Monza, treino livre 1:

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube