Mordido, Räikkönen mostra serviço e tenta (se) provar que GP de Mônaco foi exceção apenas para Mercedes

Se a F1 esperava que a briga no Canadá fosse desde o início entre Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, Kimi Räikkönen tratou de liderar as ações gerais dos treinos desta sexta-feira (9). É uma forma de demonstração clara de que o finlandês está ali não para ser figurante e que ainda remói a ‘derrota’ em Monte-Carlo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Que Mônaco foi uma exceção na vida da Mercedes, parece claro a todos. O carro com entre-eixos maior não caiu bem nas ruas do Principado, mas é o W08 um carro tão bom quanto o da Ferrari em qualquer pista. E com um lado jogando para o outro a responsabilidade do favoritismo, era absolutamente normal imaginar, na soma dos resultados, que as duas equipes seriam parelhas desde o princípio no Canadá.

 
Mas o outro a ser observado atentamente era ver se Mônaco também seria uma exceção na vida de Kimi Räikkönen. Pelo resultado desta sexta-feira (9), não. Sem a cara emburrada explícita no pódio da última corrida, o finlandês colocou seu nome à frente dos de Lewis Hamilton e Sebastian Vettel na soma dos resultados dos treinos.
 
Räikkönen pôs os pés em Montreal teimando que a Ferrari não tem um piloto nº 1 e que entendeu que o resultado em Monte-Carlo não foi arrumado em favor do seu companheiro. Sincero ou não, o fim de semana só poderia representar uma única coisa a seus olhos e aos olhos da F1: provar que não é um nº 2. E nada como um piloto mordido para mostrar resultados.
Kimi Räikkönen surge com a chance de sair da sombra de Vettel (Foto: Ferrari)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Uma nova pole e uma vitória de Kimi começaria, ainda que aos poucos, a afastar a impressão que ele ajudou a carimbar nos últimos anos: a de que está lá para completar o time. Do carro, não pode reclamar: o triunfo poderia ter vindo duas semanas atrás se tivesse trabalhado para tal. E se quiser mesmo ter como Maranello seu ‘home office’ por mais um ano, a etapa que faz a transição do primeiro terço do campeonato é a ideal para estes objetivos.

Tanto é que o finlandês acha que o principal ponto é manter essa excelente Ferrari na frente amanhã. Ainda que não tenha mostrado qualquer empolgação – como lhe é bem habitual -, Kimi reconheceu que viveu um dia de desempenho forte. "Estou feliz, mas é apenas sexta-feira. As coisas foram muito tranquilas. Foi uma sexta-feira muito comum e tivemos sensações positivas. Nós ainda temos muito o que fazer, muita coisa para trabalhar também. E precisamos melhorar mais para tentar obter a pole neste circuito", avaliou o piloto de 37 anos.

O companheiro Vettel compartilhou da opinião. “Vamos fazer o possível para estar na briga pela pole e pela primeira fila. Foi um dia de sensações distintas, sai da pista algumas vezes e tinha problemas com o carro, mas no final descobri o que o quero fazer e o que o quer que eu faça”, disse o tetracampeão depois de descer da SF70H, na terceira colocação.

Hamilton, do outro lado, apenas procura uma chance de furar o domínio ferrarista e voltar a vencer, para tentar a recuperação. "Sinto que estamos um pouco atrás dos carros vermelhos neste momento inicial do fim de semana, mas temos de trabalhar o máximo para preencher essa lacuna e ter alguma margem para a classificação de amanhã", completou Lewis.

 
Só que o cenário em Montreal começou uma confusão que só. Um festival de erros e rodadas caracaterizou as duas sessões. Só Romain Grosjean viu o mundo girar quatro vezes. Mesmo Vettel não ficou muito atrás, e até mesmo Räikkönen não passou ileso. Com um pista suja e a dificuldade de se conseguir a melhor aderência, o limite foi amplamente ultrapassado. E para andar bem em Montreal, é difícil encontrar numa volta perfeita esta linha tênue.
A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube