F1

Muito calmo, chefe diz que Vettel foi “vencedor moral” em GP do Canadá que “provou que Ferrari é competitiva”

Mattia Binotto, o chefe da Ferrari, estava calmo além da conta. O chefe da Ferrari não entrou em confusão, seguiu o caminho dos panos quentes e de pensar em como o GP do Canadá mostrou que a Ferrari tem condições de brigar com a Mercedes. Mas afirmou: a Ferrari ganhou a corrida

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Sebastian Vettel liderou o GP do Canadá deste domingo (9) de ponta a ponta, mas quem venceu a corrida foi Lewis Hamilton. O motivo foi uma punição de 5s dada a Vettel por manobra insegura, ao voltar à pista após uma passada na grama. Os comissários da FIA acharam que houve ameaça a Hamilton, uma decisão bastante criticada por Vettel e no paddock. Mattia Binotto, chefe da Ferrari, adotou uma declaração menos explosivo que se podia imaginar. Pediu calma a todos os envolvidos e afirmou que a Ferrari entende que ganhou a prova. 
 
Binotto adotou a estratégia da vitória moral para falar sobre o dia de Vettel. Fora isso, preferiu garantir que a Ferrari sabe o que precisa melhorar para ser competitiva - e que Montreal provou esse ponto.  
 
"Eu acho que não cabe a nós decidir, isso é esporte. Certamente, se você avaliar a reação do público, todo mundo parecia acreditar nisso [que a punição foi equivocada]. Não havia nada diferente que Sebastian podia fazer naquela ocasião. Não acho que ele teve qualquer má intenção ao fazer aquilo, nós sabemos disso. Ele liderou a corrida inteira e cruzou a bandeira quadriculada na frente. Nós consideramos [Vettel] o vencedor moral", afirmou.
Sebastian Vettel protesta por punição no GP do Canadá (Foto: Reprodução)
"Como equipe, provamos que podemos ser competitivos. Ainda temos muitas corridas em que podemos lutar para nos recuperarmos - e ainda com mais atualizações. Sabemos quais são as fraquezas que precisamos abordar, mas a temporada não acabou. Foi a decisão deles", lamentou.
 
"Precisamos avaliar as informações junto ao Seb e antes de tomarmos uma decisão [sobre como proceder]. Por que ele saiu da pista? Porque estava guiando no limite a cada volta, a cada curva. Cometeu um erro. Estávamos nos limites com os pneus e, quando você volta para a pista [numa situação como aquela] não há aderência. Vamos nos acalmar. Todo mundo vai se acalmar em algumas horas e, aí, vamos pensar sobre o fim de semana", falou.
O momento do incidente (Foto: Reprodução)
"Nós somos técnicos, então precisamos avaliar nossas fraquezas e forças para melhorar o carro. É assim que vamos abordar as coisas amanhã dessa forma para seguir nosso trabalho. Vencemos hoje. Tivemos o carro mais rápido na pista, e isso é importante. Seb está calmo agora, é um bom sinal para o piloto. Estamos todos famintos aqui [para vencer]", finalizou. 
 
O Mundial de F1 volta em duas semanas, no dia 23 de junho, com o GP da França.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.