Na Garagem: Alonso corre com cautela no Brasil e se torna campeão mais jovem da F1

15 anos atrás, Fernando Alonso foi ao Brasil precisando apenas acompanhar os movimentos de Kimi Räikkönen para ser campeão. O finlandês foi segundo, enquanto o espanhol surgiu em terceiro. Era mais do que necessário para ser campeão apenas aos 24 anos

Fernando Alonso passou a primeira metade da década de 2000 como um talento para o futuro. Alguém que podia tomar as rédeas da Fórmula 1 tão logo o reino de Michael Schumacher chegasse ao fim. Pois esse futuro virou presente exatos 15 anos atrás, em 25 de setembro de 2005: mesmo superado pela dupla da McLaren no GP do Brasil, Alonso cruzou a linha de chegado com a Renault e se sagrou campeão pela primeira vez.

Alonso chegou a Interlagos 15 anos atrás em situação confortável no campeonato. Mais regular do que o vice-líder Kimi Räikkönen, o espanhol tinha 25 pontos de vantagem com 30 ainda em jogo. A matemática era simples: para ser campeão em Interlagos, bastava a Alonso um terceiro lugar. Para seguir com esperanças, Kimi precisava vencer e torcer por Fernando no máximo em quarto.

As esperanças da McLaren, que já eram pequenas, ficaram ainda menores após a classificação. Alonso fez pole e, de quebra viu Räikkönen em quinto no grid. Entre os dois, Juan Pablo Montoya, Michael Schumacher e Jenson Button. É verdade que Kimi fez volta com tanque mais cheio e teria a vantagem de parar mais tarde, mas a missão seria árdua.

Alonso manteve a liderança na largada, mas viu o safety-car acionado de imediato. David Coulthard e Antônio Pizzonia se enroscaram em plena reta principal, com ambos abandonando no ato. A relargada veio na terceira volta, e com mudança importante: Montoya partiu melhor e tomou a primeira colocação. Räikkönen fez sua parte, despachando Schumacher e Fisichella para aparecer em terceiro.

Fernando Alonso comemora título mundial, confirmado em 25 de setembro de 2005 (Foto: Getty Images)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Era um começo encorajador para o finlandês, mas ainda era pouco. Não só seria seria necessário ultrapassar Montoya e Alonso, o espanhol também teria de perder posição para Schumacher. Era uma combinação improvável, ainda mais que o colombiano não parecia disposto a fazer jogo de equipe para um título já quase perdido.

Räikkönen deu o primeiro passo na árdua missão no primeiro ciclo de pit-stops. O finlandês retardou a primeira parada e, com pista livre, voou baixo e ultrapassou Alonso. O segundo lugar estava no papo, mas Montoya ainda tinha a prova sob controle.

Do posto de vista de Alonso, a cautela era necessária. Seria bom atacar a dupla da McLaren e brigar por resultado melhor, mas o espanhol fez uma prova livre de riscos. Schumacher seguia em quarto, mas sem se aproximar muito.

A corrida ficou morna nas primeiras posições. Montoya só ajudaria Räikkönen se houvesse chance de levar a briga pelo título para Suzuka, o que não seria possível enquanto Schumacher não se aproximasse de Fernando. Nenhum dominó caiu e, após 71 voltas, Alonso cruzou a linha de chegada em terceiro e se sagrou campeão.

Fernando Alonso colocou ponto final na série de títulos de Michael Schumacher (Foto: Reprodução)

A briga pelo título em 2005 não foi particularmente memorável, mas certamente simbólica. O título de Alonso acabava com a série de cinco canecos seguidos de Schumacher, finalmente derrubado pela nova geração. Na época, a Folha de S. Paulo deixou isso claro com manchete que dizia ‘Schumacher quem?’.

Mais do que isso, chamava atenção a juventude de Alonso. Aos 24 anos, o espanhol se tornou o mais jovem campeão da F1, derrubando recorde que pertencia a Emerson Fittipaldi desde 1972. Em entrevista após a corrida, o espanhol refletiu sobre o significado do feito: “Tenho apenas 24 anos e depois disso não tenho muito a fazer. Agora preciso encontrar novos objetivos, porque esse eu já alcancei”, refletiu.

Como se sabe, os objetivos de Alonso não mudaram muito. O espanhol seguiu na F1 de forma ininterrupta até o fim de 2018, sempre em busca de novos títulos. O que realmente não se sabia era se seria possível repetir a dose em 2006: “Ainda não dá para dizer muita coisa. Neste ano, Renault e McLaren melhoraram muito, mas para 2006 teremos de começar do zero com os motores V8. Vai ser tudo diferente”, disse.

As coisas, bem, não foram diferentes. O único campeão espanhol se tornaria o único bicampeão espanhol 12 meses depois, mas aí superando Schumacher em briga bem mais apertada.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube