Na Garagem: FIA tira vice de Schumacher por batida em Villeneuve na final da F1

Em 1997, depois de tentar bater em Jacques Villeneuve para garantir o título do Mundial de F1, Michael Schumacher foi julgado em 11 de novembro pela FIA e perdeu o vice-campeonato, mas escapou de ser suspenso

Michael Schumacher teve de comparecer diante do tribunal da FIA em Londres no dia 11 de novembro de 1997. Em pauta, a controversa manobra no GP da Europa, em Jerez, quando o então bicampeão jogou o carro para cima de Jacques Villeneuve para tentar garantir o título da F1.

 
A consequência primária é conhecida: Schumi saiu da pista e viu Villeneuve chegar em terceiro para se tornar o primeiro canadense campeão da F1 — dois anos depois de vencer o campeonato da Indy e as 500 Milhas de Indianápolis.

Detalhe que, após a prova, disputada em 26 de outubro, os comissários se reuniram e decidiram não aplicar sanções contra o piloto. "Os comissários concluíram unanimemente que foi um incidente de corrida e nenhuma medida é necessária", dizia o comunicado.
Schumacher não foi punido na pista pelos comissários (Foto: Reprodução)

"Para ser honesto, eu provavelmente faria a mesma coisa outra vez. Eu freei o mais tarde possível, e ele freou ainda mais tarde, então não sinto que cometi um erro. Fui chamado para conversar com os comissários, mas é só um procedimento normal, pois eles precisam fazer um relatório. Como era de se esperar, nenhuma punição me foi dada", declarou Michael depois da corrida.
 

Mas a consequência que Schumacher temia na chegada à sessão da FIA era grave: ser suspenso no campeonato de 1998, complicando ainda mais sua missão de encerrar o longo jejum de títulos da Ferrari. Era, aliás, o que havia sido avisado antes da largada em Jerez de la Frontera, afinal, estava bem viva na memória a situação do GP da Austrália de 1994.
 
 Ao final do julgamento, a decisão foi é bem branda. O alemão simplesmente foi desclassificado do campeonato, perdendo o vice e o direito à premiação. Os resultados, no entanto, foram mantidos, bem como o vice da Ferrari no Mundial de Construtores. A interpretação foi de que a atitude foi tomada apenas pelo piloto de olho no título de Pilotos.
 
Fora isso, Schumacher teve de participar por sete dias de uma campanha por mais segurança nas estradas da Europa.
 
“Se ele fosse banido do próximo ano, isso não afetaria o que ele fez neste. Não seria intimidante”, disse o então presidente da FIA, Max Mosley. “O Conselho Mundial cuidadosamente analisou todas as evidências do incidente e concluiu que embora as ações tenham sido deliberadas, elas não foram premeditadas.” 
O então presidente da FIA, Max Mosley, fala durante o julgamento de Michael Schumacher pelo toque com Jacques Villeneuve em Jerez de la Frontera em 1997 (Foto: Getty Images)
Schumacher, em Londres, afirmou que estava com dificuldades para perdoar a si mesmo pelo o que fizera. “Não está sendo fácil conviver com isso. Dois ou três dias depois da corrida, comecei a ter dificuldade para dormir, noites bem ruins, sem aceitar o que fiz, o que não é algo comum para mim, mas, obviamente, sou um ser humano como qualquer outro”, falou. “Aprendemos. Cometemos erros. Mas vamos nos tornar mais fortes e eu espero que muito melhores no futuro”, acrescentou, referindo-se também ao apoio que recebeu da Ferrari.
 
Com a desclassificação de Schumacher, Heinz-Harald Frentzen subiu para vice e David Coulthard, da McLaren, ficou em terceiro.

"Eu fiquei um pouco preocupado quando ultrapassei Michael, sabia que estava assumindo um grande risco e fiquei muito surpreso por ver que ele quis jogar o carro para cima de mim, embora isso fosse um pouco esperado. E eu sabia que estava assumindo um grande risco", descreveu Villeneuve. "Quando nos tocamos, meu carro levantou no ar. Eu realmente achei que algo tinha quebrado no carro. Por sorte, ele saiu da pista. Mas o meu carro estava muito estranho, especialmente nas curvas para a direita, a traseira perdeu a estabilidade."

Michael Schumacher foi punido pelo toque com Jacques Villeneuve na decisão do título em Jerez de la Frontera em 1997 (Foto: Getty Images)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube