F1

Na Garagem: Schumacher adota estratégia ousada e supera Alonso na França

Há exatos 15 anos, Michael Schumacher largou em segundo e adotou uma estratégia de quatro pit-stops para superar Fernando Alonso e vencer o GP da França. A performance é considerada uma das melhores de sua carreira

Grande Prêmio / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
Michael Schumacher venceu 13 corridas em 2004, ano do seu heptacampeonato, mas nenhuma teve o mesmo brilho do GP da França, disputado no dia 4 de julho.
 
Dominante, o alemão da Ferrari chegou em Magny-Cours com oito vitórias em nove corridas, 80 pontos somados, 18 à frente do companheiro de equipe Rubens Barrichello. Estava na cara que o título era dele, mas o cenário na França era diferente. Equipe da casa, a Renault veio forte e viu Fernando Alonso tomar a pole-position de Schumacher, apoiada pelo bom desempenho dos pneus Michelin. David Coulthard, em sua última temporada pela McLaren, partiria de terceiro, com o futuro campeão mundial Jenson Button em quarto, pela BAR. Jarno Trulli, parceiro de Alonso, alinhou em quinto, e Rubens Barrichello, com problemas, partiria do décimo lugar.
Na casa da Renault, Alonso fez a pole e liderou boa parte da prova (Foto: Reprodução)
A largada aconteceu sem grandes problemas para Alonso e Schumacher, que mantiveram as primeiras posições. Trulli, se aproveitando do famoso ‘botão de largada’ da Renault, superou Button e Coulthard para ficar com a terceira posição. Barrichello, precisando se recuperar depois da classificação ruim, foi escalando posições e era o sétimo colocado ao final da volta 10.
 
Na parte da frente, Alonso e Schumacher começaram a dar um show à parte. Os dois viravam tempos voadores, revezavam com o posto de volta mais rápida e abriam uma vantagem confortável para o resto do grid. Com 11 voltas, o alemão da Ferrari foi o primeiro a parar, e viu o espanhol fazer o primeiro pit-stop voltas depois, retornando ainda na liderança.
 
As estratégias para a pista de Magny-Cours, de difícil ultrapassagem, eram bem claras: três pit-stops. Ninguém no restante do grid optou por algo diferente, exceto Schumacher, que junto do time de estrategistas da Ferrari resolveu ousar. O primeiro indício foi na volta 29, quando novamente parou bem antes do rival, e desta vez retornou em primeiro.
 
O que parecia ser apenas uma ótima estratégia de undercut foi desmontada na volta 42. De forma surpreendente, Schumacher veio aos boxes apenas 13 giros depois do seu segundo pit-stop, e viu a Ferrari colocar 6s de combustível no carro, o que seria suficiente para menos de 15 voltas. O alemão deveria parar novamente e sair na frente de Alonso, que fez o seu terceiro e último pit-stop, e assistiu o ritmo insano aplicado por Schumacher nas voltas seguintes, com a intenção de abrir a vantagem suficiente para a quarta parada.
Michael Schumacher em uma grande vitória (Foto: Reprodução)
O alemão conseguiu, fez o famoso ‘splash and go’ e saiu à frente de Alonso com 12 voltas para o fim, apenas conduzindo no seu ritmo para conquistar a incrível nona vitória da temporada, e uma das mais especiais de sua carreira, fazendo mais de 30 voltas em ritmo de classificação e se tornando o único piloto a vencer uma prova em pista seca com quatro pit-stops. Rubens Barrichello completou a festa italiana, ultrapassando Jarno Trulli na última curva e fechando o pódio.

Exultante com a vitória, Schumacher explicou que a estratégia de quatro paradas foi decidida durante a corrida. “A estratégia e a precisão da equipe nos pit-stops foram fantásticas hoje. Antes da largada, não estava tão otimista, mas ficou claro que nossos pneus Bridgestone estavam muito bons no fim dos stints, o que não foi o caso com nosso adversário, então consegui reduzir a diferença antes das paradas. Então, depois do segundo pit-stop, decidimos trocar para uma estratégia de quatro paradas”, disse.
 
“Não houve muita discussão uma vez que a equipe me disse que eu não seria ameaçado por quem vinha atrás. Não tinha nada a perder e pude ganhar cinco voltas antes da minha última parada, quando a equipe me disse que eu tinha vantagem suficiente para manter a liderança. Nós poderíamos ter vencido com uma estratégia normal de três paradas, mas isso envolveria carros que estavam passando pela pista. Com base no ano passado, esperava sofrer mais aqui, mas esta temporada está se mostrando excelente”, completou o piloto, que caminhava a passos largos para a conquista do seu sétimo título mundial.
Paddockast #23
Lágimas em Le Mans



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.