Na Garagem: Senna erra na volta a Interlagos, e Prost vence 1ª pela Ferrari

Ligeiramente afobado, Ayrton Senna comprometeu uma vantagem confortável na liderança ao se enroscar com o retardatário Satoru Nakajima. Alain Prost aproveitou e conquistou a vitória, sua sexta no Brasil e a primeira da passagem pela Ferrari

Alain Prost foi as lágrimas em Interlagos em 25 de março de 1990. Há 26 anos, o francês conquistava sua primeira vitória pela Ferrari, logo na segunda corrida pelo time — e justo na casa do grande rival Ayrton Senna.
 
No retorno da F1 ao circuito de Interlagos, Senna conquistou a pole. O traçado não era mais o de antes, reduzido de 8 km para apenas 4,309 km, e com o dedo de Senna, que inclusive foi homenageado com o novo nome da primeira curva. A prefeita Luiza Erundina compareceu e foi bastante aplaudida por ter promovido o reencontro do Mundial com a cidade de São Paulo após dez anos.
 

O tempo dele foi de 1min17s277, 0s611 mais rápido que o colega de time, Gerhard Berger. As Williams se classificaram na segunda fila com Thierry Boutsen e Riccardo Patrese, e as duas Ferrari ficaram na terceira fila, com Nigel Mansell à frente de Prost.
 
Mantendo a ponta na luz verde, Senna foi disparando. Berger passou do ponto e permitiu a passagem de Boutsen, mas o belga não foi capaz de seguir o ritmo do carro #27 de Ayrton.
Prost e Mansell formaram a dupla da Ferrari em 1990 (Foto: Forix)
Senna foi abrindo, abrindo e abrindo. Só não teve o mesmo sucesso ao abrir caminho em meio aos retardatários. A tão sonhada primeira vitória em casa foi adiada em um ano quando ele tentou passar por Satoru Nakajima no miolo de Interlagos. Eles não entenderam sobre quem tinha a preferência na curva, e Senna enfiou o bico da McLaren na traseira da Tyrrell.
 
A essa altura, já depois das trocas de pneu, Prost estava em segundo lugar e assumiu a ponta.

Senna relatou que queria esperar algumas curvas, mas Nakajima “abriu a porta”. “Quando eu entrei, ele decidiu voltar. Freei forte, mas não deu para evitar o choque”, disse.

 
“Foi um dia fantástico”, vibrou Prost. “Guiar para a Ferrari não é fácil. Depois da derrota em Phoenix, tivemos que dar muitas explicações, mas hoje provamos que temos performance.”
 
A entrevista também ficou marcada por declarações a respeito da rivalidade com Ayrton e o erro cometido pelo brasileiro na corrida. Antes da largada, ele procurara Ron Dennis e Senna para selar uma trégua, porém não houve receptividade. “Estou muito chateado com isso. Eu faço um trabalho muito perigoso e não posso ficar nervoso com esse tipo de problema. Não quero falar mais sobre este assunto”, afirmou. “Ayrton cansou de ganhar corridas fazendo ultrapassagens arriscadas sobre retardatários. Hoje perdeu exatamente por isso”, respondeu a uma outra pergunta.
 
O GP ainda teve protestos contra o presidente da FISA, Jean-Marie Balestre, considerado pelos brasileiros como o grande culpado pelo título de Prost sobre Senna em 1989.
Alain Prost faturou em Interlagos a 1ª vitória correndo pela Ferrari (Foto: Forix)

 
VEJA A EDIÇÃO #21 DO PADDOCK GP, QUE ABORDA F1 E MOTOGP

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube