Nasr diz que fez “coisas incríveis” com Sauber pior do que atual e comemora nova fase: “Me sinto completo”

Felipe Nasr conversou com o GRANDE PRÊMIO no paddock do GP do Brasi na última sexta-feira (9), em Interlagos. E lembrou a má fase da Sauber, que hoje anda muito acima no grid do que em sua época. E se diz mais feliz no momento, longe da F1, do que encarando os problemas da equipe suíça

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Felipe Nasr foi campeão do IMSA nesta temporada, com cinco pódios e uma vitória na categoria americana. Muito diferente de seu período na Sauber, justamente quando a equipe suíça sofria na F1.

A evolução do time que hoje tem Charles Leclerc e Marcus Ericsson é notória, e Nasr sabe disso. Mas não lamenta ter saído antes disso. Inclusive, se diz muito feliz com seu momento atual.

Foi o que ele disse em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO na última sexta-feira (9), em Interlagos. Segundo Nasr, é impossível comparar a atual Sauber com a que pilotou entre 2015 e 2016. E o IMSA foi o caminho certo a ser tomado.

"A situação da Sauber à época é completamente diferente da Alfa Romeo, da Sauber que é hoje. Uma equipe estruturada, melhor financeiramente, melhores profissionais, é um outro nível de equipe. Mantive o relacionamento com eles e pude entender que não se compara com a Sauber que eu guiei aquela época", analisou o brasileiro.

"Eu acho que a gente fez coisas incríveis com aquele carro, com o equipamento que a gente tinha. Mas, como eu falei, a F1 tem ‘n’ fatores e naquela época… É engraçado de ver. A mesma quantidade de pontos que o Leclerc tem hoje é a que eu tive no meu primeiro ano na F1", completou.

Felipe Nasr (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)

Nasr, de fato, anotou 27 pontos com a Sauber em 2015, exatamente a pontuação atual de Leclerc. "Porém eu tinha 2 anos de contrato e foi quando a Sauber entrou em decadência."

Já sobre o IMSA, fala com transparente animação: "Eu acho que o momento que eu estou hoje estou super contente, me sinto completo."

"Em um ambiente em que eu consigo… Eu estava com saudade de ganhar corrida, brigar pelo campeonato, e pude fazer isso logo no meu primeiro ano", finalizou Nasr.

Ele venceu em Detroit no IMSA, além de ter ido ao pódio em Daytona, Sebring, Elkhart Lake e Canadá. O título veio em Atlanta, na última etapa.

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube