Newey admite que proibição do difusor soprado atingiu Red Bull “mais do que aos outros”

Adrian Newey, projetista responsável pelos carros da Red Bull, admitiu que a proibição do difusor soprado atingiu a equipe com mais força do que aos rivais

Adrian Newey, responsável pelo projeto do RB8, reconheceu que a performance da Red Bull na temporada de 2012 é resultado da mudança nas regras da F1. O projetista destacou que os rubro-taurinos dedicaram muito tempo ao estudo do difusor soprado, que acabou banido pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

A equipe dos energéticos foi a primeira a utilizar o conceito ainda na temporada de 2010 e conseguiu evoluir o projeto até o domínio apresentado no ano passado, quando conquistou o Mundial de Pilotos, com Sebastian Vettel, e o de Construtores.
 

Newey admitiu que mudança na regra abalou ritmo da Red Bull (Foto: Red Bull/ Getty Images/ Mark Thompson)


“Está da maneira que nós temíamos antes do começo da temporada”, disse Newey à revista britânica ‘Autosport’. “Tendo explorado a tecnologia do difusor soprado profundamente por duas temporadas e aí ter isso proibido junto com outras mudanças, como a flexibilidade da asa dianteira, nos atingiram bastante”, continuou.

“Provavelmente mais do que aos outros porque nós exploramos isso por um longo tempo”, ponderou. “Levou um tempo para entender o precisamos fazer e nos recuperar.”

A Red Bull tentou recriar o mesmo efeito do difusor de uma maneira limitada, mas acabou surpreendida por um esclarecimento da FIA que obrigou a Renault a modificar o mapeamento de seus motores. A mudança causou um novo impacto no time, que agora trabalha em busca de uma solução.

“Temos trabalhado com a Renault e de repente fomos surpreendidos com uma interpretação que era diferente do que planejamos”, explicou. “É onde estamos e temos de voltar e começar de novo”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube