Mazepin desdenha e Schumacher vê “graves consequências” em caso de nova fechada

Mick Schumacher espera "graves consequências" para Nikita Mazepin caso incidente do GP do Azerbaijão se repita. O russo trata a situação como "mal entendido"

Fechado por Mazepin no fim do GP do Azerbaijão, Schumacher dispara: “Ele quer nos matar?” (Vídeo: Reprodução)

Mick Schumacher falou abertamente sobre o incidente com o companheiro de equipe Nikita Mazepin na última volta do GP do Azerbaijão. Nos metros finais da corrida, o alemão se preparava para uma ultrapassagem quando foi surpreendido pelo russo, que o tentou espremer contra o muro de Baku. Sem sucesso, Mazepin foi superado e amargou o 14º lugar.

Na coletiva de imprensa do GP da França, Schumacher revelou que um pedido de desculpas de Nikita aconteceu após uma reunião que também envolveu o chefe de equipe Guenther Steiner e o engenheiro de corridas Ayao Komatsu.

“Teve uma reunião logo após a corrida entre Guenther, Ayao e Nikita. Eles falaram sobre o incidente, depois me chamaram e falamos sobre juntos. Ele pediu desculpas após ver o vídeo. Então, estamos bem e não pensamos sobre isso depois”, declarou Schumacher.

LEIA TAMBÉM
+Alpine acerta futuro com Ocon. E destrava mercado de pilotos
+Ocon renova com Alpine até 2024 e mantém dupla com Alonso na F1

+Mercedes coloca Russell de sobreaviso para vaga de Bottas em 2022
+EXCLUSIVO: Alfa Romeo vira opção para Bottas na temporada 2022

NIKITA MAZEPIN; MICK SCHUMACHER; HAAS;
Nikita Mazepin e Mick Schumacher: apesar dos sorrisos, os dois não andam se bicando nas últimas semanas (Foto: Haas)

Mick, que registrou o melhor resultado pessoal na F1 ao completar a prova em Baku no 13º lugar, relembrou que ficou surpreso com a atitude do companheiro de equipe, especialmente por fazerem parte da Haas.

“Naquele momento foi confuso porque não esperava de forma alguma, especialmente de um companheiro de equipe. Entendo que é a última volta, nós vamos disputar. Mas se você vem com vácuo e usa tudo o que resta de bateria, não há como parar. A única maneira é tentando assustar ou empurrando contra o muro, e ele tentou fazer isso. Para ser justo, mantive meu pé no acelerador e passei por ele de qualquer jeito”, seguiu.

Em defesa, Nikita Mazepin tratou a situação como um “mal entendido” e que errou na noção de distância, mas desdenhou da situação, afirmando que Schumacher não deve esperar “coisas fáceis”.

“Tivemos um mal entendido. É óbvio que indo para a última volta em uma corrida bastante agitada, que não é a primeira esse ano, mas como um fã de Fórmula 1, não vi muitas vezes uma corrida interrompida, pensei que ele escolheria a linha interna, mas ele foi pelo lado de fora”, disse Mazepin.

“Quando eu vi que ele estava fechado na linha, desisti porque não lutávamos por pontos, e o resultado do time é prioridade para mim”, completou. “Mas diria que é muito importante que ele não espere que as coisas sejam muito fáceis. Mas claramente não esperava que ele ficasse onde ficou, e se ele sentiu daquela forma, pedi desculpas porque isso é o que acho que deveria estar fazendo”, concluiu.

O jovem alemão também espera consequências maiores caso a situação se repita. O piloto também comentou que por ser um caso de dois companheiros de equipe, a situação foi minimizada em termos de punições ou análise da direção de prova.

“Eu tenho certeza que depois das conversas que tivemos com o time, tudo vai estar em ordem para reconstruir a confiança novamente. E nós somos pilotos, então tenho certeza que vamos lidar com isso. Se acontecer novamente, haverá graves consequências, mas ainda neste caso, por ser um incidente que aconteceu entre companheiros de equipe, provavelmente foi mantido mais internamente do que tratado com a direção de prova. Mas como disse, se acontecer de novo, com certeza será entregue aos comissários e ao diretor de prova”, concluiu.

Cortes do GP: Vem briga? Gabriel Curty diz que Verstappen e Hamilton nunca vão beber juntos

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar