F1

No início da nova era com Honda, McLaren obtém pior classificação de sua história de quase 50 anos‏

A McLaren vai ver após 49 anos de história seus dois carros ocupando uma última fila do grid. A fraqueza do motor Honda não conseguiu tirar Jenson Button e Kevin Magnussen do 17º e do 18º lugares, e assim os dois fecham a grelha do GP da Austrália

Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo
A McLaren deixou a parceria de quase duas décadas com a Mercedes para retomar a história e refazer história com a Honda. A promessa de uma nova era cheia de glórias seduziu Fernando Alonso, que largou a Ferrari, e fez com que Jenson Button ganhasse mais um ano na equipe de Ron Dennis.

Mas nunca que se imaginava tanta dificuldade e dureza.

Acidente de Alonso nos testes coletivos fora, já era sabido que a McLaren Honda chegaria com dificuldades à Austrália pelo desempenho visto nas semanas em Jerez e em Barcelona. Os três treinos livres corroboraram a vida difícil, e tanto Kevin Magnussen quanto Jenson Button rezavam para que a Manor Marussia participasse da classificação e evitasse que a equipe largasse na última fila.
Jenson Button durante os treinos livres em Melbourne (Foto: Getty Images)
Pois a Marussia não foi à pista. E deu no que deu: Button em 17º e Magnussen, 18º. Pela primeira vez na história de 49 anos da tradicional equipe, a última fila lhes pertence no grid.

Até então, o pior resultado foi um 25º e um 26º lugares no grid do GP da Itália de 1976, quando os pilotos eram James Hunt e Jochen Mass. Só um carro, o da Penske de John Watson, largou pior.

"Eu não acho que esperávamos mais nada. É difícil. Tudo é muito novo. É um processo de aprendizado e precisamos ser pacientes. Eu não acho que ganhar posições é a principal prioridade. É terminar a corrida", declarou Magnussen. "Vai ser uma corrida muito difícil para nós. Não fizemos a distância de uma corrida. Há muito aprendizado para fazermos. Economizar combustível será importante, e tentar dar passos à frente", resignou-se Button.

Agora é ver se os dois carros ao menos terminam a corrida. E quantas voltas levam das Mercedes, que largam na ponta com Lewis Hamilton à frente de Nico Rosberg