F1

No túnel do tempo, Alonso escolhe Europa 2012 como grande corrida e Schumacher como melhor rival na F1

Bem-vindo, Fernando Alonso, ao seu passado. Ninguém disse essa frase, mas ela poderia tranquilamente ser usada durante a entrevista da FIA em Abu Dhabi. Numa retrospectiva sobre a carreira na F1, Alonso definiu a corrida em Valência, na temporada 2012, como aquela em que se saiu melhor. Além disso, elegeu o heptacampeão Michael Schumacher como maior rival, mas por motivos pessoais
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 O pódio do GP da Europa de 2012, vencido por Fernand Alonso (Foto: Reprodução)

É natural que no fim de semana de despedida da F1, Fernando Alonso seja questionado sobre os grandes momentos e encontros que viveu desde que chegou à categoria, em 2001. O espanhol tentou desconversar, durante a entrevista oficial da FIA, em Abu Dhabi, nesta quinta-feira (22), mas não teve jeito: precisou apontar uma grande corrida e o maior rival. Ficou com o GP da Europa, disputado em Valência, em 2012 e Michael Schumacher.
 
A prova destacada por Alonso tem realmente um lance dramático. Então na Ferrari, o espanhol largou na 11ª colocação, duas à frente de Felipe Massa, seu companheiro. O carro da Ferrari não era um dos melhores, mas Alonso foi escalando o pelotão e contando com alguns abandonos - Sebastian Vettel e Romain Grosjean, por exemplo, eram rivais reais e saíram da corrida antes da hora. Alonso levou a melhor e ganhou a corrida enquanto Massa foi retardatário.
 
"Se tiver que escolher uma corrida, fico com Valência, 2012. É uma corrida que se fosse disputada 100 vezes, perderíamos em 99. Tudo estava OK, mas o carro não era rápido. Acredito que passei Felipe Massa faltando dez voltas para o fim, vencemos e não estávamos em posição dominante", lembrou.
Fernando Alonso (Foto: McLaren)
Na hora de optar pelo melhor rival contra quem correu nos 17 anos de F1, o nome saiu de forma até simples: Michael Schumacher, a quem desbancou em 2005. Mas fez a ressalva: a escolha não é por uma questão técnica. 
 
"É difícil escolher um piloto, mas diria que Michael", apontou. 
 
"Quando cheguei à F1 ele dominava, ganhava tudo. Hoje em dia temos uma das gerações mais talentosas, os pilotos estão mais preparados, passam mais tempo no simulador, programas [em outras categorias] e, quando chegam à F1, estão num nível impensável olhando para uma ou duas décadas atrás. Diria que Michael [foi o melhor rival], mas por motivos pessoais, não técnicos", encerrou.
 
A F1 encerra a temporada com o GP de Abu Dhabi neste fim de semana. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e EM TEMPO REAL.