F1

Novo proprietário, Liberty Media decide tirar Ecclestone do comando da F1, revela TV inglesa

O Liberty Media, grupo norte-americano que está em processo de compra da F1, pretende dispensar Bernie Ecclestone do posto de diretor-executivo do Mundial em questão de dias. É o que revela a inglesa Sky News

Warm Up / Redação GP, de Leipzig
 

O posto de comando de Bernie Ecclestone na F1 está com os dias contados. É o que informa a inglesa Sky News. De acordo com a emissora, os novos proprietários do Mundial, o grupo Liberty Media, pretendem pedir ao dirigente que renuncie ao cargo de diretor-executivo. A decisão deve ser anunciada no início da próxima semana. 
 
O grupo norte-americano esteve reunido com a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) nesta última semana, além do Grupo de Estratégia da F1, em Genebra, na Suíça. No encontro, a entidade que rege o esporte aprovou a venda do Mundial à empresa. A conclusão do negócio deve acontecer até o final deste mês. 
 
Ainda segundo a Sky News, o Liberty Media vai oferecer a Ecclestone o cargo de presidente vitalício, sem especificar exatamente que tipo de ação ele permitiria ao ainda chefão de 86 anos. A saída de Bernie do comando não seria imediata também: a ideia dos novos proprietários é formar um 'governo de transição' até o próximo CEO assumir o bastão de vez. 

Mas o plano agora é mudar completamente a estrutura de comando da F1, para fortalecer a ideia de que a maior das categorias vai entrar em uma nova era sob a gestão do Liberty Media. 
Ecclestone deve deixar comando da F1 nos próximos dias, diz Sky News (Foto: Getty Images)

Chase Carey, que foi nomeado em outubro passado como presidente da F1, já se mostrou ansioso por colocar seu pessoal para trabalhar nas diversas frentes. Segundo a Sky News, o ex-executivo da ESPN, Sean Bratches, é um candidato forte para liderar o setor comercial do Mundial, enquanto Ross Brawn, ex-diretor da Mercedes e da Ferrari, deve ser chamado mesmo para assumir um papel chave, supervisionando todo lado esportivo da categoria.
 
O próprio Ecclestone já admitiu que seu futuro no comando do Mundial é incerto e agora permanece nas mãos da empresa americana.
 
Também segundo a TV inglesa, o Liberty Media vem se esforçando para unir seus próprios interesses aos das equipes. Inclusive, conforme a emissora, o grupo fez uma grande apresentação de seus planos durante a reunião desta semana e ofereceu a possibilidade da compra de ações. Porém, de acordo com a impresa alemã, as escuderias não se mostraram interessadas na aquisição.

Além disso, o grupo norte-americano já falou sobre possíveis mudanças no calendário, manifestou o desejo de transformar os GPs em grandes eventos e expandir a presença da F1 em plataformas digitais, algo que Ecclestone tem sido resistente há muito tempo.

O icônico dirigente inglês está à frente do Mundial desde o fim da década de 1970.
OS CAMPEÕES DO DAKAR: LEANDRO TORRES E LOURIVAL ROLDAN CONTAM TUDO SOBRE A CONQUISTA HISTÓRICA