Omissão do ‘Strollgate’ confirma incertezas sobre protocolo de segurança da Fórmula 1

Lance Stroll foi infectado pelo Covid-19, mas a omissão do caso e de informações colocaram o falho protocolo da Fórmula 1 em grande risco

Por meio das redes sociais e quase duas semanas depois, Lance Stroll confirmou que se ausentou do GP de Eifel, realizado em Nürburgring no dia 11 de outubro, por conta de um teste positivo para Covid-19. O canadense sentiu indisposição na manhã de sábado, antes do terceiro treino livre, apresentava sintomas e teve a confirmação na noite do domingo.

Lance apresentou sintomas como febre, fadiga e diarreia, alguns destes após o GP da Rússia, realizado duas semanas antes. Porém, a Racing Point tratou de negar publicamente a infecção do próprio piloto na época. Um teste feito após a corrida em Nürburgring confirmou o positivo para Covid-19.

Antes do teste positivo, Stroll tinha sido testado apenas na terça-feira anterior, ou seja, cinco dias antes, com resultado negativo. Mesmo com sintomas, ainda participou de atividades de mídia e teve contato com pessoas dentro do paddock.

Lance Stroll não correu o GP de Eifel (Foto: Racing Point)

A infecção de Lance também vem em outra esteira: na forma com que a Fórmula 1 passou a ser mais solta em relação ao Covid. A presença de público, por exemplo, aconteceu no GP da Rússia, e foi justamente na rodada de exames da categoria em Sóchi que ocorreu o maior número oficial de positivos até aqui. Foram sete.

Além das flexibilizações precipitadas, já que o número de casos cresce na Europa, a FIA coloca a própria credibilidade em risco mais uma vez ao esconder o positivo de Stroll, que só é revelado dez dias depois. O órgão falha ao omitir tal informação do público e, especialmente, de seus funcionários, já que o canadense teve contato com outras pessoas.

A Racing Point adotou uma postura defensiva ao dizer que o médico que atendeu Stroll em Nürburgring afirmou que o piloto não tinha sintomas de Covid-19, sem a necessidade de um novo teste. Porém, a equipe erra ao não informar a natureza do mal-estar de Stroll, que deveria ser alvo de preocupação a todo instante.

Lance Stroll estará presente no GP de Portugal (Foto: Racing Point)

E assim como no caso de Sergio Pérez, que se ausentou dos GPs da Inglaterra e dos 70 Anos após ser infectado, a FIA volta a mostrar falhas no próprio protocolo, que consiste nos testes RT-PCR, que busca material genético do vírus em secreção coletada da garganta (orofaringe) e do nariz (nasofaringe).

Após cada rodada de exames, a Fórmula 1 divulga a quantidade de testes feitos e os positivos. Porém, nunca revela oficialmente a identidade de quem foi infectado. As equipes se responsabilizam pelas divulgações sobre os próprios funcionários.

A situação com Stroll mostra que testes a cada cinco dias não é o protocolo ideal. Afinal, o espaço dado entre os dias determina datas longe do ideal. É inacreditável que o piloto não seja testado na quinta-feira, por exemplo, quando já participa de atividades de mídia e tem mais contato com pessoas da garagem.

Também não ficou claro quem fez o exame positivo de Stroll, seja Fórmula 1, a Racing Point ou iniciativa própria. A falta de comunicação colocou o andamento da categoria em sérios riscos.

Sem a necessidade de testar pilotos e equipes da Fórmula 2 e Fórmula 3 nas próximas etapas, não existem motivos para a Fórmula 1 economizar. É hora de aumentar a frequência de exames para evitar que a temporada seja colocada em xeque logo em sua reta final.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube