F1

Opinião GP: FIA pune não só Vettel, mas também F1. E do carro puxado à placa trocada, reação é excelente

Em uma temporada em que a Mercedes nada de braçada, uma disputa dura e real entre os dois melhores pilotos do grid era tudo o que a Fórmula 1 precisava, mas a descabida punição a Sebastian Vettel mancha o espetáculo e frustra o fã. E a única coisa que salvou o domingo foi a reação verdadeira e humana do alemão, que destoa de uma realidade engessada e quase robótica que o Mundial tende a impor a suas estrelas

GRANDE PRÊMIO / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
"INFELIZMENTE, ESTE NÃO É o esporte pelo qual me apaixonei”. A frase é de Sebastian Vettel, depois de protestar contra a punição que recebeu dos comissários da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) no GP do Canadá. E ela ganha ainda mais força quando se percebe que a sanção imposta a ele não feriu só o que seria uma batalha dura e justa na pista, mas todo um espetáculo. 
 
O alemão vinha na liderança da prova, após largar da pole, e tentava escapar da pressão de Lewis Hamilton, quando cometeu um erro entre as curvas 3 e 4. E acabou escapando do traçado e, ao voltar, espremeu o inglês. Não houve toque entre eles, e o ferrarista apenas tentou retomar a corrida, sem bater no muro. O piloto da Mercedes tirou o pé e evitou também a colisão. A Federação entendeu que a manobra do tetracampeão foi perigosa porque o adversário precisou tomar uma atitude evasiva. Resultado: 5s de punição e a chance de uma primeira vitória na temporada caiu por terra.
 
Uma vez mais, a decisão dos homens da FIA foi exagerada e prejudica o esporte. Sebastian vinha sendo bastante pressionado por Hamilton e não tinha mais o carro tão na mão assim, mas havia uma oportunidade real de triunfo em um campeonato que vem sendo muito mais complicado do que o esperado pela Ferrari. Sim, o #5 errou na entrada da curva 3, foi à grama e voltou da única maneira que era possível. Nem de longe foi uma manobra proposital ou mal-intencionada. Era uma disputa dura, afinal. 
O momento do incidente (Foto: Reprodução)
Portanto, não dá para pensar em nada além de um incidente de corrida. Ainda mais se levar em consideração todos os fatores e tudo que estava em jogo. Vettel teve pouquíssimo tempo para decidir o que fazer e acertou ao corrigir o carro. No fim das contas, a punição maior foi deixar o carro escapar na grama e a perda de tempo, que fez Hamilton colar de vez. Certamente, a perseguição seguiria ainda mais eletrizante não fosse a interferência da FIA.
 
É claro que que há um regulamento, mas há também a experiência de quem já esteve na pista entre os comissários. Além do bom senso. Por isso, talvez as palavras de Mario Andretti tenham sido as mais corretas e coerentes para definir como as ações dos comissários deveriam ser repensadas. “Acho que a função dos comissários é punir manobras flagrantemente perigosas, não erros comuns que resultem de uma disputa intensa. O que aconteceu no GP do Canadá é inaceitável neste nível de nosso grande esporte.”


Aliás, essa visão de Andretti explica muito da reação de Vettel após a corrida. A irritação e a franqueza com que tratou o episódio também é de se aplaudir. Seb se mostrou como é. O alemão protestou com veemência. Quando soube da punição, bradou no rádio. Disse o que todos viram: “Não havia para onde ir”. E decretou: “Estão roubando a vitória da gente”. Não estava longe da verdade.
 
Após a bandeirada, a revolta ficou escancarada ao deixar o carro fora do parque fechado. Ao se recusar a ir de imediato ao pódio e, principalmente, ao trocar as placas de primeiro e segundo no cercadinho. Vettel não é alguém de meia palavras. Falou tudo que pensa do esporte atual. E tem razão: "Muitas pessoas, os ex-pilotos e as fãs nas arquibancadas, concordariam também que isso é parte das corridas, mas eu não gosto do que vejo hoje em dia. Nós soamos como advogados. Está errada a maneira como fazemos as coisas atualmente. Agora nós temos regulamentos para tudo."
Sebastian Vettel troca as placas de vencedor e segundo colocado (Foto: AFP)
A atitude corajosa e quase transgressora de Sebastian acabou sendo o melhor do GP do Canadá. Fez lembrar quem são os verdadeiros astros do espetáculo e o quanto é importante o posicionamento frente a atitudes descabidas. 
 
E em última análise, a excelente reação ainda serviu para alertar sobre aquilo que a Fórmula 1 deveria ter mais em conta: o fã. Que corre o risco de, assim como Seb, perder a paixão pelo esporte. 

A sétima etapa da temporada 2019 do Mundial de F1 acontece em 15 dias com o GP da França, no circuito de Paul Ricard. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

O Opinião GP é o editorial do GRANDE PRÊMIO que expressa a visão dos jornalistas do site sobre um assunto de destaque, uma corrida específica ou o apanhado do fim de semana.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.