Otimista, Button vibra com “reviravolta” na McLaren e crê que ainda é possível lutar pelo título

Em entrevista ao diário britânico ‘The Mirror’, Jenson Button pediu para não ser descartado da lista dos candidatos ao título. Confiante, o piloto destacou o trabalho da McLaren e a evolução do MP4-28 entre os GPs da Austrália e da Malásia


A melhora significativa exibida pela McLaren durante todo o fim de semana do GP da Malásia, segunda etapa do Mundial de F1, deixou Jenson Button tão otimista a ponto de fazê-lo crer que há chances reais de lutar pelo bicampeonato em 2013. Em Sepang, o piloto britânico teve um desempenho bastante convincente e andou sempre entre os cinco primeiros, mas teve de abandonar a prova por conta de um problema na fixação da roda dianteira esquerda durante uma janela de pit-stops.

Embora ainda esteja sofrendo com a perda de pontos importantes neste começo de temporada tão difícil para a McLaren, Button acredita que é possível alcançar o título neste ano. O britânico, segundo piloto mais experiente da F1 atual, baseia sua confiança na “reviravolta”, como ele mesmo definiu, da McLaren entre os GPs da Austrália — onde o time teve um desempenho sofrível — e o GP da Malásia.

Em entrevista concedida ao diário londrino ‘The Mirror’, Button demonstrou sua confiança na capacidade de trabalho da McLaren e, principalmente, na evolução do MP4-28 ao longo da temporada. “O campeonato ainda está longe [de uma definição], então estou preocupado e buscando isso. Definitivamente.”
Jenson Button é o retrato da confiança depois de uma exibição bastante convincente em Sepang (Foto: Getty Images)

Para reforçar sua confiança em poder lutar pelo bicampeonato, Button voltou ao passado e lembrou sua campanha no ano do seu único título mundial de F1, quando era companheiro de equipe de Rubens Barrichello na Brawn. “Sebastian [Vettel] quase me superou na luta pelo título de 2009 e ele não marcou pontos nas quatro primeiras corridas.”

“É uma reviravolta enorme para nós. Durante a maior parte da corrida em Sepang nós fomos mais rápidos que a Lotus. Na maior parte da corrida, nós fomos mais rápidos que a Ferrari. Quem pensaria nisso cinco dias atrás?”, questionou o experiente piloto que, apesar do otimismo, deixa claro que mantém os pés cravados no chão. “Nós ainda não estamos onde queremos estar. Tivemos um pouco de sorte com um circuito que nos foi tão suave, e isso ajudou um pouco. O carro ainda não está perfeito”, avaliou.

Jenson falou também sobre a frustração com o problema que lhe tirou, pelo menos, dez pontos. Após duas etapas do Mundial em 2013, Button soma dois pontos graças ao nono lugar conquistado na Austrália, mesmo resultado obtido por Sergio Pérez, seu companheiro de equipe, na Malásia, na semana seguinte. 

“A grande coisa é que há muitos carros competitivos e tiramos pontos de alguns deles, o que é exatamente o que precisamos. Foi um fim de semana positivo até o pit-stop, que doeu. Doeu quando acordei no dia seguinte sabendo que não marquei pontos e poderíamos, no mínimo, terminar em quinto”, lastimou o piloto.
O britânico não escondeu a tristeza por ter abandonado a corrida em Sepang (Foto: Getty Images)

“Mas faz parte. Temos de seguir em frente e olhar adiante na China. Só queria que não demorasse três semanas. De qualquer forma, entretanto, isso é bom porque nos dá mais tempo para trabalhar no carro. Para nós, a diferença significa mais do que para a maioria das equipes, porque isso nos dá tempo para aperfeiçoar o carro”, acrescentou.

“Eu sou um piloto muito feliz neste momento, sabendo que nós melhoramos muito. E sei o que a equipe pode alcançar nas próximas semanas para ter um carro forte na China. Ainda temos problemas, mas, em termos de desenvolvimento, o carro é muito melhor. Demos uma reviravolta enorme. Ainda estamos longe do ritmo das Red Bull, mas ainda é incrível ver o quanto você pode avançar em cinco dias. Fiquei surpreso por estar em quinto e ainda conseguir enxergar o líder”, concluiu o otimista Button.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube