Otimista com evolução da Honda, consultor da Red Bull prevê decisão sobre motor para 2019 dentro de um ano

Helmut Marko descartou, ao menos em um futuro próximo, que a Aston Martin vá ser a fornecedora de motores da Red Bull. Quanto ao uso da unidade de potência da Honda para 2019, o dirigente austríaco avisou que a decisão vai acontecer no máximo dentro de um ano, em setembro da próxima temporada. Tudo vai depender do trabalho dos japoneses com a Toro Rosso no ano que vem

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Enquanto a Toro Rosso já trabalha em conjunto com a Honda para a nova parceria que vai estar nas pistas a partir da próxima temporada na F1, a Red Bull encara o novo momento da fábrica japonesa com otimismo. Há cerca de dez dias, o diário britânico ‘Daily Mail’ noticiou que a equipe taurina não vai continuar com a Renault ao fim de 2018, informação ainda não confirmada pela cúpula da Red Bull, mas o fato é que já se vislumbra uma parceria com a Honda para o ano seguinte. Tudo vai depender de como a montadora de Sakura vai se desenvolver ao lado da filial Toro Rosso. 

 
Helmut Marko, consultor da Red Bull, afirmou que a decisão sobre o uso da unidade de potência da Honda vai acontecer dentro de um ano, precisamente em setembro de 2018.
 
“Entramos em contato com a Honda e fizemos nossa própria inspeção, também. Pelo que tomamos conhecimento, temos uma visão otimista do futuro. Vimos os dois carros da McLaren no top-10 em Singapura, vimos um motor em desenvolvimento e sabemos o que acontece nos bastidores”, afirmou o austríaco em entrevista à emissora ORF.
Helmut Marko disse que a Red Bull vai esperar um ano para decidir sobre uso dos motores da Honda (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
“A Honda tem potencial econômico, a infraestrutura necessária, uma das fábricas mais modernas, com suas plataformas de testes e um compromisso completo com a F1, mas devemos levar em conta a mentalidade japonesa que, obviamente, é um pouco diferente da europeia”, disse o dirigente.
 
A confiança da Red Bull reside em uma boa união entre Toro Rosso e Honda para decidir sobre uma parceria com os japoneses para 2019. Portanto, ao menos em um futuro de curto prazo, contar com a Aston Martin como fornecedora de motores, como chegou a ser especulado na Europa nos últimos dias, não é opção.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“A Aston Martin é uma cooperação econômica que nada tem a ver com trens de força. Agora estamos ansiosos em ver como vão trabalhar a Honda e a Toro Rosso. Em setembro de 2018, vamos poder dizer o que vamos fazer em 2019, vai ser um bom momento para ver como trabalham Toro Rosso e a Honda”, complementou.

 
’SOLDADINHO’ DA PENSKE?

CASTRONEVES TEM FALTA DE TÍTULO COMO MANCHA NA CARREIRA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube