F1

Patrocinador que permitiu ida de Bottas à Mercedes encerra apoio: “Decidimos que era muito caro”

O conglomerado finlandês Wihuri anunciou nesta quarta-feira (9) que não mais patrocinará Valtteri Bottas, titular da Mercedes na F1. Segundo o dono da empresa, estava “muito caro” manter o apoio - a marca, inclusive, foi fator decisivo na chegada do piloto à equipe em 2017
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Colocada por Toto Wolff como principal motivo para que Valtteri Bottas acertasse com a Mercedes em 2017, no lugar do então recém aposentado Nico Rosberg, a Wihuri, empresa finlandesa, anunciou nesta quarta-feira (9) que não mais patrocinará o piloto a partir da temporada 2019.

Quando Bottas foi anunciado pela Mercedes, saindo da Williams, Wolf afirmou que sem o patrocínio da Wihuri Bottas teria perdido a disputa para Pascal Wehrlein, então reserva da equipe alemã.

Segundo informa a Mercedes na sua página oficial, a Wihuri está envolvida em vários departamentos, desde produtos de embalagem até um segmento específico para a aviação. De empresa familiar, o grupo cresceu e hoje opera em 30 países, com cerca de 5 mil funcionários e volume de negócios estimado em € 1,9 bilhão. Do conglomerado faz parte o Grupo Wipak, divisão de embalagens da Wihuri e que produz soluções de embalagens para produtos alimentícios e também para instrumentos médicos.
Valtteri Bottas (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
A confirmação do fim do patrocínio, que não teve valores revelados (em termos de apoio ao piloto. À Mercedes, foram repassados mais de 1 milhão de euros em 2018), foi feito pelo dono da marca, o bilionário finlandês  Antti Aarnio-Wihuri.

"Sim, essa informação está correta. Não seguiremos, pois decidimos que era muito caro", afirmou o empresário.

A notícia pode ser um baque na continuidade de Bottas na Mercedes - e na F1. Comcontrato renovado para 2019, ele tem a sombra de, ao menos, Esteban Ocon, que é piloto Mercedes e que ficou sem equipe para a próxima temporada da principal categoria do automobilismo mundial.