Pérez revela dificuldade da Sauber em gerir pneus: “Estamos trabalhando para melhorar”

Elogiado por saberá gerir bem os pneus durante as corridas, Sergio Pérez afirma que a Sauber tem dificuldades com esse quesito e que está trabalhando forte para melhorar. Fora do Q3 desde a Espanha, o mexicano diz que erros impediram ele de voltar a parte final do treino

Mesmo com os elogios que a Sauber vem recebendo por ser uma das poucas equipes que administram bem os pneus ao longo das provas em diferentes circuitos, Sergio Pérez revelou, nesta quinta-feira (26), na Hungria, que a equipe tem dificuldades e que a degradação excessiva dos compostos fornecidos pela Pirelli é um dos problemas que os engenheiros vêm tentando minimizar desde o início do ano.

"Acho que não temos uma grande vantagem que tínhamos no ano passado. Acho que estamos degradando tanto quanto os outros e penso que a razão pela qual alguns pilotos pararam três vezes em Hockenheim era ter um final forte no final e o pit lane em Hockenheim é bem curto”, explicou. “Eu não acho que estamos fazendo muito melhor do que outros em termos de administrar os pneus”, disse. “Acho que nós realmente temos um problema com a degradação, que é alta e é algo que estamos trabalhando”, confirmou.

Sobre o GP da Hungria, Pérez diz que a escolha da Pirelli pelos pneus médios e macios não deve causar problemas ao longo da corrida no circuito de Hungaroring. "Eu acho que quando se está muito quente sofremos mais com a degradação dos pneus”, contou.

 

Pérez espera voltar ao Q3 no GP da Hungria (Foto: Sauber)

Relembrando os problemas que teve no Bahrein, o mexicano espera não sofrer a mesma coisa na Hungria. “A temperatura pode ser muito alta aqui, mas, por outro lado, eu acho que a Pirelli foi conservadora com os pneus por isso não deve ser uma questão tão forte. Temos trabalhado muito desde o Bahrain, onde tivemos grandes problemas. Nós tivemos algumas ideias e eu acho que vamos trabalhar bem aqui”, falou.

Fora da parte final do treino desde o GP da Espanha, Pérez afirma que erros de estratégia durante as sessões na Inglaterra e na Alemanha, ambas com chuva, tiraram a chance de ele brigar por uma posição melhor no grid de largada das duas provas.

"Nos últimos dois fins de semana, não foi a sorte [que impediu uma posição melhor no grid], fomos nós que erramos em momentos cruciais. Em Silverstone, eu era primeiro colocado no Q2 e, faltando seis minutos restantes, coloquei os intermediários e estraguei tudo”, contou.

“Então, em Hockenheim, eu saí um pouco tarde e eu estava muito atrás dos outros. Não acho que é sorte, é uma questão de fazer o direito o trabalho junto com a equipe”, continuou. "Eu acho que definitivamente poderíamos ter lutado por uma vitória. E se não lutar por uma vitória, pelo menos na disputa por um lugar no pódio”, finalizou. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube