F1

Pessimista quanto à participação de Gasly nos EUA, consultor da Red Bull promete definição para terça-feira

A definição sobre a participação ou a ausência - e, por conseguinte, o substituto - de Pierre Gasly no GP dos Estados Unidos vai sair na próxima terça-feira, dia 10 de outubro, segundo Helmut Marko. Chefe da academia de pilotos da Red Bull e consultor da equipe, Marko não quis dar pistas sobre quem será o substituto, apenas indicou que não será Sébastien Buemi
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Pierre Gasly (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Após estrear na Toro Rosso na Malásia e fazer duas corridas com garantia de que será piloto da equipe na temporada 2018, Pierre Gasly passou a fazer parte da F1 de forma efetiva. Mas existe a possibilidade real de o jovem piloto francês ficar fora do GP dos Estados Unidos. Após o GP do Japão, o consultor da Red Bull, Helmut Marko, mostrou um pessimismo grande quanto à situação.
 
Gasly, campeão da F2 em 2016 e que começou o ano sem vaga na F1, foi passar um ano disputando a Super Formula, da Honda, no Japão. Acontece que Gasly tem chances de ser campeão, e a Honda, agora parceira da equipe italiana, não quer perder uma das grandes atrações da competição logo na prova final - ainda que o piloto queira correr na F1
 
"O anúncio foi um erro", disse Marko se referindo à confirmação de que Gasly seria piloto da Toro Rosso até o fim da temporada. "Nossa nova fornecedora de motor, a Honda, quer Gasly participando da decisão da Super Formula para tentar ser campeão", disse em entrevista para a revista alemã 'Auto Motor und Sport'.
 
Com Carlos Sainz Jr. confirmado na Renault para a etapa texana, Daniil Kvyat é o único piloto garantido no momento. O nome óbvio para a Red Bull é Sébastien Buemi, piloto ainda sob contrato com a marca dos energéticos e experiência prévia na F1. Mas Marko garante que o contrato dele com a Toyota, que vai até o fim de 2018, trava um acerto. A Toyota não gostaria de ver um piloto seu guiando por uma equipe ligada à Honda, histórica rival no mercado japonês. Portanto a possibilidade de Buemi guiar pela Toro Rosso é pequena nos Estados Unidos e em 2018.
Helmut Marko (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
"A rivalidade das montadoras japonesas é grande demais. Mesmo que a Toyota saia do WEC no fim do ano, Buemi não teria chances de entrar na Toro Rosso-Honda para o ano que vem", seguiu.
 
Já que a academia de pilotos da Red Bull não tenha ninguém que considere pronto para a F1, uma alternativa a Gasly não está clara. O nome de Josef Newgarden, campeão da Indy - que está de férias - apareceu como possibilidade. Marko, no entanto, se esquivou.
 
"Não tentem adivinhar quem pode substituir Gasly. Na terça-feira todo mundo vai saber que irá guiar a segunda Toro Rosso nos Estados Unidos", encerrou. 
HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA