F1

Pista estranha ao carro, doença e bueiro: os motivos para Russell estar “aliviado” pelo fim do GP do Azerbaijão

George Russell, Robert Kubica e a Williams viveram um pesadelo no GP do Azerbaijão. Numa pista em que já esperavam dificuldades acima do normal, tudo ainda deu errado. O que resta é a felicidade que tenha passado

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
O GP do Azerbaijão não foi divertido para a Williams. Tudo bem, a temporada 2019 não tem sido divertida para a Williams, mas é a corrida de Baku foi especialmente salgada para quem não conseguia andar e precisava temer que os carros apontassem bruscamente para os muros da pista de rua. George Russell apontou três motivos maiores para ficar feliz com o encerramento do fim de semana: pista ruim para o carro, o fato de estar adoentado e o bueiro do treino livre de sexta-feira.
 
O piloto inglês deixou claro que a Williams já sabia que a pista azeri era o pior encontro possível nesse momento, mas os entornos da prova tornaram tudo ainda mais dramático para o time de Grove. 
George Russell (Foto: Williams)
"Foi tão bom quanto poderia ser. Sabíamos que estávamos entrando no fim de semana que seria provavelmente o pior para a equipe. Some a isso o fato de que eu estou bem doente desde a semana passada o ainda teve o bueiro na sexta-feira que arruinou o dia", disse o novato. 
 
"O pessoal precisou trabalhar noite adentro para consertar o carro. É simplesmente um alívio que o fim de semana tenha acabado", apontou.
 
Robert Kubica corroborou. Segundo ele, o medo de ser jogado para o muro era constante num carro onde os freios tinham problemas e jogava o bólido pela pista.
Robert Kubica (Foto: Williams)
"Eu quase bati na primeira zona de frenagem. Foi um bom aviso. Infelizmente sofri o fim de semana todo com problemas nos freios e em geral e no pedal dos freios, que estavam empurrando o carro para um dos lados. Foi um grande aviso que me fez acordar e tentar levar o carro para casa", falou.
 
"Não foi fácil, porque eu seguia alguns carros e em muitas voltas não tinha confiança nenhuma no carro. Com os muros perto de você, estávamos guiando de um jeito muito desconfortável", finalizou.
 
Sem pontos na temporada e em posição de equipe nanica, a Williams segue sem pontos. A F1 volta em duas semanas para o GP da Espanha.