Pista de rua veloz e extravagância no entorno: o que a F1 encontra na estreia em Miami

Categoria interrompe perna europeia para visitar cidade no sul da Flórida pela primeira vez. Por lá, Fórmula 1 vai encontrar o ‘suco’ de seu mercado mais cobiçado e dar de cara com modelo de entretenimento americano - além, claro, de um rápido circuito construído no entorno de um estádio da NFL

FÓRMULA 1 2022 VISITA MARINA FALSA DE MIAMI + CHEGADA DE AUDI E PORSCHE | TT GP #51

A Fórmula 1 tenta mais e mais derrubar de vez as barreiras que a impedem de entrar definitivamente no mercado americano. Desde que o Liberty Media assumiu o controle da categoria, em 2017, os Estados Unidos tornaram-se área essencial de crescimento, o principal objetivo, a meta a ser alcançada. Apagar o gosto amargo que 2005 deixou, pois, virou prioridade para o grupo – que não coincidentemente tem sede no país da América do Norte. 

Para abrir terreno nos EUA, então, a F1 tirou cartas da manga. Uma delas foi a produção da série documental ‘Drive to Survive’. DtS provou-se um sucesso comercial – ainda que existam diversas controvérsias, editorialmente falando. O material da Netflix ajudou a rejuvenescer o público da categoria e, principalmente, foi bem recebido – e divulgado – em terras ianques. 

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Outra dessas armas foi a maior presença física da categoria por lá. Se em 2021 a Fórmula 1 visitou somente Austin – no completamente lotado (durante todo aquele fim de semana) Circuito das Américas -, em 2023 serão três corridas em solo americano. A inclusão de Miami e Las Vegas é estratégica do ponto de vista comercial, pois. Mas desde já parece ser um ‘home run’. A preocupação da Indy com a expansão da F1 não mente; afinal, cachorro pequeno não mete medo em ninguém.

Público lotou o Circuito das Américas durante o final de semana em 2021 (Foto: Reprodução/Twitter)

Citada, falemos então do GP de Miami. Estranhamente incluída como a quinta etapa do atual calendário da F1 – antes da Espanha e depois da Itália -, a cidade no sul da Flórida receberá o esporte pela primeira vez em sua história. Para isso, construiu uma pista de rua no entorno de um estádio de futebol americano, com uma marina artificial no miolo do circuito. Para completar, diversos shows e atrações estão previstos para acontecerem antes, durante e depois das ações no traçado – algo comparado por Zak Brown ao Super Bowl, inclusive. Quer algo mais Estados Unidos do que isso?

Ah, a tal extravagância, o tal “entretenimento americano” ao qual Pierre Gasly se referiu. Finalmente estamos diante dele. Antes mesmo da conclusão do traçado, barcos foram colocados no meio da pista para a construção da tal marina. Evidentemente, água de verdade seria inserida no cenário, certo? Errado. A organização resolveu fazer uma pintura que emula o movimento das ondas e do mar. Artificial até demais, a marina – de asfalto, no caso. 

A marina artificial até demais do Circuito Internacional de Miami (Foto: F1 Miami)

Além disso, um dos patrocinadores do evento vai montar um ‘beach club’ entre as curvas 11, 12 e 13 para quem quer ver a Fórmula 1 ao vivo. Por lá, shows com importantes nomes da música atualmente: Post Malone, Zedd, The Chainsmokers, entre outros. E ah: a comemoração pós-pódio, no domingo, vai contar com a atração exclusiva Maluma. A corrida – sim, vai ter uma corrida, não se esqueça – parece ser o menor dos detalhes em meio à gigantesca festa que Miami, sem precedentes, irá promover. Objetivo concluído, Liberty Media?

Já que falamos da corrida, vamos ao circuito, pois. É difícil fazer qualquer tipo de projeção mais analítica, afinal, o terreno é novo para torcedores, jornalistas e pilotos. Mas estes últimos contam com um importante aliado: o simulador. E segundo a praticamente unânime declaração de todos, fica fácil destacar: o traçado de rua de Miami é veloz como em Jedá, mesclado com curvas de alta e baixíssima velocidade e cheio de oportunidades de ultrapassagem. 

Circuito de rua americano. GP de Miami terá três zonas de DRS (Foto: Reprodução/F1)

“Parece incrível. Realmente gostei do circuito. Alta velocidade, bastante desafiador, tipo incomum e curvas extremamente longas, retas também”, afirmou Gasly. “Foi, na verdade, bom de ver que parece uma pista muito boa para ultrapassagens. Acho que a forma como a pista foi planejada, na minha opinião, parece positiva. Deve ser uma boa corrida. Retas bastante longas e algumas boas oportunidades de ultrapassagem”, palpitou Valtteri Bottas.

Há quem coloque vírgulas. “Tem uma área um pouco sinuosa, que é bastante difícil de acertar, e a visibilidade pode ser difícil. Acho que pilotar aqui pode ser bom, com todas essas retas. Só espero que o asfalto esteja bom e que possamos ter uma boa corrida, porque quando falamos de novos circuitos, encontramos algumas surpresas”, alertou Sergio Pérez.

Sergio Pérez apontou “área sinuosa” do traçado de Miami (Foto: Red Bull Content Pool)

“É realmente diferente, especialmente no terceiro setor, com curvas apertadas. Se um safety-car acontecer, acho que teremos um grande tráfego aqui, porque é super apertado. Mesmo em uma volta rápida, as curvas são feitas em baixíssima velocidade. Então vai ser interessante de ver e tomara que as ultrapassagens sejam um fator chave para a pista”, concordou com ‘Checo’ Yuki Tsunoda. 

As expectativas estão aí. Se a realidade corresponder – como foi em Baku, ainda que no primeiro ano a corrida no Azerbaijão tenha sido monótona -, ou se não corresponder – assim como na Holanda, com altas promessas e pouca ação na pista -, descobriremos neste domingo. Fato é: o típico entretenimento que só os Estados Unidos podem proporcionar (e que a Fórmula 1 está doida para cada vez mais receber) estará presente, aconteça o que acontecer. E é melhor ir se acostumando, hein? Se depender do Liberty Media e de Stefano Domenicali, o show deve – e vai – continuar. Cada vez mais.

Os treinos estão marcados para esta sexta-feira (8) à tarde. Acompanhe o treino de classificação aqui.

FÓRMULA 1 2022: O QUE ESPERAR DO GP DE MIAMI + PORSCHE E AUDI VÃO ENTRAR? | Paddock GP #285
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar