F1

Pole de Vettel é prova de que Ferrari tem chance real. Mas não tem direito de errar

Sebastian Vettel tirou não um coelho, mas uma marmota da cartola para cravar a pole no Canadá, neste sábado (8). Mas a forma como conquistou a posição de honra é uma confirmação de que a Ferrari possui uma oportunidade real de enfrentar e vencer a Mercedes neste domingo. Só não pode errar

GRANDE PRÊMIO / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
Foi espetacular e surpreendente a maneira como Sebastian Vettel emergiu nos instantes finais da classificação em Montreal para superar Lewis Hamilton e garantir a posição de honra do grid de largada. A performance tem um grande significado para o alemão. Não só pelo ano difícil que vem vivendo com a Ferrari em 2019, mas também, e principalmente, pelo jejum que data desde a Alemanha no ano passado – corrida em que quase tudo começou a desandar. Seb esperou por 16 sessões para festejar. Por isso, o grito seguido de um “finalmente” não só reflete a alegria pela conquista, mas também o alívio. E traz certa paz diante de um momento decisivo e que pode até mudar o rumo do campeonato. 
 
O GP do Canadá é um ponto chave para a equipe italiana. As seguidas derrotas para Mercedes vêm pesando demais sobre os ombros dos homens de Maranello e era necessária alguma boa notícia, e Montreal era tudo que os vermelhos precisavam. As características da pista da Ilha de Notre-Dame forçam a balança a pender para o lado da SF90, que desembarcou com baixa pressão aerodinâmica, uma configuração mais agressiva e peças novas do motor. A performance em reta ainda está lá e é valiosa neste circuito. E o modelo italiano responde bem aos trechos de alta velocidade do Gilles Villeneuve. No ponto mais rápido, o ganho é de até 6 km/h. Por isso, Vettel arrancou a pole de Hamilton. No fim, a diferença foi de 0s2, mas a estimativa da esquadra prateada é que a desvantagem chega a 0s6 em reta. Muita coisa, pois. 
Sebastian Vettel e Lewis Hamilton: sinal de briga real entre os dois? (Foto: AFP)
E, portanto, a chance de encerrar o jejum de vitórias é real. “Certamente estamos felizes. Durante todo o final de semana estamos com bom desempenho. É uma surpresa positiva e uma boa motivação”, disse Mattia Binotto, o comandante ferrarista. 
 
Bem, a Mercedes segue ameaçadora e a presença de Lewis Hamilton na primeira fila não pode ser subestimada. O W10 perde em reta ainda, mas tem excelente desempenho nos trechos sinuosos e de baixa velocidade. A equipe alemã não mudou em nada isso, embora o ganho em relação aos italianos tenha sido menor desta vez – menos de um 0s1. "Eles foram muito bem aqui no ano passado e sabíamos que a velocidade de reta é algo difícil de combater. Para resumir, estamos perdendo 0s6 em reta e tentando recuperar nas curvas, mas ainda não é suficiente", confirmou Toto Wolff, o chefão da Mercedes.

A grande aposta, no entanto, está na performance de corrida. A sexta-feira mostrou, com Valtteri Bottas, que o ritmo com os pneus médios e duros é muito bom e muito melhor que o da Ferrari. Ou seja, será uma corrida tensa e marcada pela estratégia se nada acontecer na largada.
 
 
Vettel tem a missão de partir bem da pole e abrir de Hamilton. Se o inglês pular na frente, a coisa pode ficar mais divertida, na medida que o #5 possui maior desempenho em reta. E aí está a chance de um embate entre os dois principais pilotos do grid, enfim. Mas, ainda assim, a tática deve decidir o GP. De acordo com a Pirelli, a corrida, mesmo com 70 voltas, tem como estratégia mais veloz um único pit-stop, lá entre as voltas 35 e 40. É nisso que a Mercedes trabalha. Já a Ferrari tem na velocidade sua grande arma.
 
O jogo de equipe entre os ferraristas não está totalmente descartado. Charles Leclerc errou em sua volta final e teve dificuldades durante toda a classificação. Quer dizer, precisa se recuperar e deve ter papel fundamental nessa intrigante largada de amanhã. 
Charles Leclerc e Sebastian Vettel: a Ferrari pode lançar mão de jogo de equipe (Foto: Ferrari)
Ainda que na pole e com a vantagem de puxar o pelotão, a pressão está totalmente do lado vermelho, especialmente de Vettel. A diferença para Hamilton ainda é muito larga e, mesmo em um campeonato tão longo, é algo difícil de tirar, mas quanto antes melhor. Melhor para o esporte, inclusive. Só que a Ferrari perdeu todo e qualquer direito de errar a partir de agora.

GRANDE PRÊMIO acompanha todos os treinos livres, a classificação e o GP do Canadá de Fórmula 1 AO VIVO e em TEMPO REAL. A largada para a sétima etapa da temporada está marcada para as 15h10 (de Brasília). 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.