Por aumento de ultrapassagens, FIA libera para GP da Austrália inéditas três zonas de acionamento da asa móvel

Após um ano com queda de 49% no número de ultrapassagens na F1, a FIA busca soluções e, a primeira delas, é aumentar a zona de DRS, a asa móvel traseira, durante o GP que abre a temporada 2018, na Austrália. Pela primeira vez, serão três na categoria

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Em 2017, a F1 viu apenas 435 ultrapassagens durante toda a temporada. O número representou queda de 49% em relação às 866 vistas um ano antes.

Por motivos óbvios, a volta da emoção na pista se tornou um dos objetivos da FIA e, para tentar ajudar nesta questão, a entidade já anunciou mudanças para o GP da Austrália, prova que abre a temporada 2018 no próximo final de semana.

Para ajudar nas ultrapassagens, a FIA liberou três áreas de acionamento da asa móvel traseira, o DRS. É algo inédito na categoria, que só tinha visto, até o momento, duas zonas permitidas.

DRS visto na Ferrari (Foto: Reprodução)

Nessas áreas, os pilotos podem aumentar a velocidade e e as ultrapassagens ocorrem mais frequentemente. Em Albert Park, além da área entre as curvas 2 e 3, e da reta, poderão ativar o DRS entre as curvas 12 e 13. 

A corrida na Austrália é considerada, pelos pilotos, uma das mais complicadas de se conseguir ultrapassagens. O DRS está disponível na F1 desde 2011.

”VOCÊ TEM DE RESPEITAR”

EMOÇÃO GENUÍNA DE BARRICHELLO É EXEMPLO DE MOTIVAÇÃO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube