F1
13/01/2015 12:01

Por estreia, Nasr fala que expectativa é alta por ser piloto brasileiro, mas diz: “Uma coisa é andar na F1 e outra é ter sucesso”

Felipe Nasr admitiu que, por ser um piloto brasileiro, a cobrança é grande na F1 devido ao histórico vitorioso do país, mas também disse que apenas estar no Mundial não significa sucesso imediato. “Andar na F1 é uma coisa e ter sucesso é outra”, falou. O brasiliense vai guiar a Sauber nesta temporada
Warm Up / Redação GP, de Curitiba
 Felipe Nasr aguarda início dos treinos dentro de seu carro (Foto: Beto Issa/ F1 GP Brasil)
Perto de estrear na F1, Felipe Nasr admitiu que a expectativa já é bastante elevada para a primeira temporada no Mundial, especialmente por ser um piloto brasileiro. O brasiliense de 22 anos justifica a cobrança devido ao histórico vitorioso do país na principal categoria do automobilismo mundial, que teve dois tricampeões, Ayrton Senna e Nelson Piquet, além de Emerson Fittipaldi, que obteve dois títulos no início dos anos 70. Nasr também citou o sucesso do ex-colega da Williams, Felipe Massa, que chegou a disputa a taça com Lewis Hamilton em 2008.

Depois de terminar a GP2 em terceiro no ano passado e atuar como reserva na equipe de Grove, Nasr assinou contrato com a Sauber e já reconhece que o fato de apenas estar na F1 não significa sucesso garantido.
Felipe Nasr vai estrear na F1 pela Sauber em 2015 (Foto: Beto Issa/ F1 GP Brasil)
Com os pés fincados no chão, Felipe afirmou ainda que correr no Mundial é "algo bem diferente". "Há sempre uma grande expectativa para qualquer piloto brasileiro, porque tivemos um grande histórico no passado", explicou o competidor.

"Todos no Brasil esperam que os pilotos brasileiros obtenham bons resultados, mas eu tenho na minha cabeça que andar na F1 é uma coisa e ter sucesso é outra. Por isso, você precisa estar no momento certo, na equipe certa e tudo isso precisa se unir para que você possa, em seguida, lutar para ser bem-sucedido aqui", completou.

"Eu me sinto confiante na equipe e ainda tenho muito de aprender, mas estou totalmente comprometido com o que preciso fazer para me tornar um piloto de sucesso um dia", encerrou.

Em seu primeiro ano na F1, Nasr vai dividir a Sauber com o sueco Marcus Ericsson, que correu pela Caterham em 2014.
PARA SUPERAR KTM, HONDA TRANSFERE TECNOLOGIA DA MOTOGP PARA DAKAR

Desde 2005, falar da disputa entre as motos no Rali Dakar é sinônimo de falar da KTM. Com Marc Coma e Cyril Despres, a montadora austríaca conquistou o título nove vezes consecutivas — entre 2005 e 2014 (o rali não aconteceu em 2008) — e, exceto pela disputa interna entre o espanhol e o francês, não teve maiores desafios na competição.
 
Depois de 24 anos de ausência, entretanto, a Honda decidiu voltar à maior prova off-road do mundo em 2013 e, desde então, trabalha para encontrar um caminho para superar a 450 Rally Factory da KTM. Para a edição 2015 da disputa, a casa da asa dourada decidiu reforçar a CRF 450 Rally, que estreou no rali do ano passado, incorporando na moto sua mais alta tecnologia.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
COM SOBREPREÇO DE R$ 35 MILHÕES, LICITAÇÃO PARA REFORMA NO AUTÓDROMO DE BRASÍLIA É REVOGADA

A licitação para reforma do autódromo de Brasília, palco da etapa de abertura da Indy no próximo dia 8 de março, foi revogada. A informação foi publicada nesta segunda-feira (12) no Diário Oficial do Distrito Federal.
 
De acordo com o Tribunal de Contas do Distrito Federal, “várias irregularidades” foram constatadas na análise do projeto, dentre elas, sobrepreço de quase R$ 35 milhões, duplicidade de serviços e “falhas graves no projeto básico de engenharia”.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
WILLIAMS RECONHECE NECESSIDADE DE AUMENTAR RECEITA, MAS DIZ: "SEM DOBRAR ORÇAMENTO"

Chefe-adjunta da Williams, Claire Williams reconheceu que a equipe precisa aumentar sua receita para continuar dando passos à frente no Mundial de F1, mas isso não é tudo.

Satisfeita com o rendimento da escuderia na temporada 2014, na qual Felipe Massa e Valtteri Bottas garantiram o terceiro lugar no Mundial de Construtores, Claire disse que o dinheiro é importante, mas não decisivo. Segundo ela, é possível alcançar títulos menos contando com um orçamento menor.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.