F1

Por “questão tática”, Honda troca motor do carro de Gasly, que larga na última posição na Alemanha

A Honda declarou “questão tática” para levar a equipe sem punições para a Hungria, aproveitando a pequena perda no GP da Alemanha - apenas quatro posições. A STR13 de Pierre Gasly chega ao grid alemão com uma troca completa na unidade de potência

Warm Up, de Hockenheim / BRUNA ARIMATHEA, de São Paulo / EVELYN GUIMARÃES, de Hockenheim

Pierre Gasly vai largar em último no GP da Alemanha deste domingo (22). A Honda optou por realizar uma troca completa na unidade de potência no STR13 do piloto que larga, agora, na última fila, juntamente com Daniel Ricciardo, que também foi punido por trocas de componentes do motor.
 
A nova unidade de potência utilizada pelo francês é a quinta da temporada e inclui um novo turbocompressor e MGU-K. O piloto também utiliza nesta etapa seu quarto MGU-H e terceiros centro de energia e controle eletrônico.
 
Gasly se classificou, originalmente, na 16ª posição, uma a frente de seu companheiro de equipe, Brendon Hartley. Com a penalidade, o neozelandês assume sua posição e outros dois pilotos ganham um lugar à frente no grid: Lance Stroll, em 17 e Stoffel Vandoorne, em 18º. 
Pierre Gasly largará na última posição por trocas na unidade de potência (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
A decisão foi tomada para adicionar mais elementos com uma perda relativamente pequena, já que o piloto não ia perder muitas posições com a troca nesta etapa. A Honda classificou a mudança como “razões táticas” e confirmou a troca. Hartley já tinha substituído alguns componentes em Silverstone e dessa forma os dois carros  da Red Bull chegam à Hungria com peças novas e sem punição no traçado que pode entregar um bom resultado para a equipe.