F1

Porsche construiu motor para correr na F1 em 2021, revela diretor. Planos foram frustrados por ‘Dieselgate’

Ainda que o regulamento dos motores para 2021 não esteja ainda definido, a Porsche se adiantou e construiu um protótipo de unidade motriz para acelerar na F1, atendendo a um pedido do Grupo Volkswagen, que tinha interesse em entrar na categoria. Contudo, os gastos com o ‘Dieselgate’ e o envolvimento maciço na Fórmula E fizeram a empresa deixar a F1 de lado

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
A Porsche não apenas considerou entrar na Fórmula 1 a partir de 2021 como também construiu um motor específico para a categoria com base na mudança de regras prevista para dentro de dois anos. A revelação foi feita por Fritz Enzinger, diretor de esportes a motor do Grupo Volkswagen, em entrevista à revista britânica ‘Autosport’. O executivo contou que a Porsche atendeu a um pedido da matriz alemã e desenvolveu um motor de seis cilindros visando a F1. 
 
No entanto, o ‘Dieselgate’, escândalo protagonizado pela empresa por ter manipulado motores a diesel para driblar os testes de emissão de poluentes, fato que causou enorme prejuízo e queda brusca do valor das ações no mercado, fez com que o Grupo Volkswagen desistisse da F1.
 
“Em 2017, a F1 deu sinais de que mudaria as regras e que não seria mais necessária a recuperação de energia por meio dos gases de escapamento. No fim daquele ano, recebemos um pedido específico da nossa empresa matriz para montarmos um motor de seis cilindros, altamente eficiente. E não somente no papel, devíamos mesmo montar a unidade motriz. A ideia era que esse motor fosse testado nas pistas em 2019. Foi isso o que nos pediram”, contou o executivo.
Fritz Enzinger revelou que a Porsche tinha planos para a F1, frustrados pelo 'Dieselgate' (Foto: Porsche)
Outro fator que contribuiu para que a Porsche desistisse de regressar à F1 foi a resistência, por parte das equipes do grid na atualidade, em mudar as regras. Até o momento, não há nada fechado para 2021 em termos de motores. 
 
A ideia da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) era de desenvolver uma unidade motriz mais simples para atrair mais montadoras, e a Porsche logo se interessou. Mas a demora na definição do regulamento levou a marca a mudar os rumos do seu projeto no esporte a motor para a Fórmula E.
 
“O caso está nos tribunais desde 2015 e custou caro aos cofres da empresa. Agora, o foco da Volkswagen está nos carros elétricos. Estamos nos envolvendo com a Fórmula E com duas das nossas marcas”, citou o dirigente, mencionando Porsche e também a Audi, empresas do Grupo Volkswagen.
 
Enquanto a Audi é uma das principais equipes da categoria, a Porsche realiza intenso programa de testes para estrear na Fórmula E a partir da temporada 2019/20. Além da montadora, outra icônica marca alemã vai fazer seu debute na categoria dos carros elétricos a partir da sexta temporada: a Mercedes.
 
Enzinger afirmou que o propulsor construído pela Porsche deve servir como base para equipar carros urbanos construídos pela marca. “O motor está completo e foi testado no dinamômetro. Agora vamos tentar transferir a experiência adquirida para os carros de rua”, completou.

Paddockast #20
Punições tardias, circuitos chatos... O que tem de acabar no esporte a motor?



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.