F1
02/12/2017 08:58

Presidente da Ferrari confirma Leclerc e Ericsson na Sauber em 2018 e deixa Wehrlein com um pé fora da F1

Presidente de Ferrari, Sergio Marchionne se antecipou e confirmou que Charles Leclerc e Marcus Ericsson serão os titulares da Sauber na temporada 2018 da F1. Anuncio deixa Pascal Wehrlein praticamente fora da F1
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Alfa Romeo Sauber (Foto: Sauber)

Presidente da Ferrari, Sergio Marchionne se antecipou e anunciou que Charles Leclerc e Marcus Ericsson serão os pilotos da Sauber na temporada 2018 da F1. A escuderia suíça será uma espécie de equipe ‘B’ da marca de Maranello.
 
A promoção de Leclerc à F1 era praticamente certa, mas Ericsson disputava a indicação do time com Antonio Giovinazzi, que acabou perdendo a batalha.

“A Alfa dará a oportunidade para dois jovens pilotos, como aconteceu no passado com dois campeões como Kimi Räikkönen e Felipe Massa, que estrearam com este time. Fico feliz em anunciar que teremos Charles Leclerc e Marcus Ericsson como pilotos oficiais”, anunciou Marchionne.
 
Pelas redes sociais, a Sauber confirmou a dupla e ainda anunciou que Giovinazzi assume o posto de terceiro piloto do time. A escuderia também aproveitou para mostrar o conceito do layout a próxima temporada que será nas cores branca e vermelha e conta com um logo da Alfa Romeo.
Alfa Romeo Sauber ganhou um layout diferente (Foto: Sauber)

O anúncio de Marchionne foi feito neste sábado (2), durante a apresentação da nova parceria da Alfa Romeo com a Sauber em um evento na Itália.

No último dia 29, a Sauber anunciou uma parceria técnica com a Alfa Romeo, que regressa ao certame após 33 anos de ausência. O anuncio significa que a escuderia passa a se chamar Alfa Romeo Sauber F1 Team em 2018.
 
De acordo com a Sauber, a parceria inclui "cooperação estratégica, comercial e tecnológica". Parte dessa relação tem a ver com os motores: as unidades de potência da Ferrari vão ser rebatizadas como Alfa Romeo. Trata-se, todavia, de uma ação sem muito efeito prático, já que a nova parceira não participa do desenvolvimento dos motores de Maranello.

“O retorno da Alfa Romeo à F1 é um evento histórico, um momento especial não só para nós, mas também para o nosso país, importante para a nossa marca, mas, acima de tudo, para todo o mundo da F1”, disse Marchionne. “O passado e o futuro da Alfa Romeo se juntam nesta sala e nós estamos comemorando por duas razões: a Alfa traz de volta à pista sua tradição gloriosa e devolvemos à F1 uma marca que fez a história da categoria”, seguiu.
 
“O acordo com a Sauber é resultado de um relacionamento com uma escuderia que sempre se ergueu e que sempre teve nos jovens uma atenção, como era o desejo de Peter Sauber”, recordou. “A Alfa será a patrocinadora principal do time e vai compartilhar recursos técnicos, de engenharia e comerciais”, explicou.
 
De acordo com Marchionne, o time suíço vai usar o mesmo motor do time oficial de Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen.
 
“A unidade de potência será a mesma da Ferrari oficial”, completou. 
 
A Sauber vem passando por inúmeras mudanças ao longo dos últimos anos. A mais recente foi a substituição de Monisha Kaltenborn por Frédéric Vasseur no comando do time. Antes da troca, a ex-dirigente tinha firmado um acordo de fornecimento de motores com a Honda, mas o negócio acabou desfeito.
 
Em meados de 2016, a equipe fundada por Peter Sauber foi vendida para o Longbow Finance, uma investidora suíça. O anúncio, aliás, também marcou a aposentadoria de Sauber, que foi substituído por Pascal Picci na presidência do time.


 
FIM DE UMA GERAÇÃO

GIAFFONE: “BRASIL TEVE SORTE POR TER PILOTOS POR TANTO TEMPO NA F1”