F1

Presidente da Ferrari se irrita com problemas “horríveis” nos motores na Malásia e promete mudanças

O presidente da Ferrari Sergio Marchionne não ficou nada satisfeito com os problemas que a equipe teve na Malásia. O dirigente prometeu mudanças depois dos defeitos “horríveis” de confiabilidade em Sepang
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Sebastian Vettel (Foto:Ferrari

Os problemas nos motores de Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen na Malásia tiraram Sergio Marchionne do sério. Nesta segunda-feira (2), o presidente da Ferrari fez críticas à equipe que cuida da área específica do defeito em Sepang, mas também às peças produzidas para o sistema de motores do time italiano. Segundo Marchionne, a surpresa foi que isso aconteceu apenas na Malásia.
 
O presidente da equipe italiana lembrou que foi a segunda prova seguida em que a Ferrari jogou no lixo uma chance real de vitória ou até de dobradinha. Em Singapura, porém, foram os pilotos que bateram na largada, enquanto que na Malásia o motor deixou Vettel na mão na classificação e Räikkönen de fora ainda na volta de instalação.
 
"Nossos dois carros poderiam ter vencido a corrida de ontem. Isso é um fato. Poderia ter sido o mesmo em Singapura, isso é outro fato. Outro fato é que nós tivemos problemas com os nossos motores porque temos um time novo cuidando dessa área, mas também por termos algumas peças que não estão no nível certo para um carro de corrida", disse ao jornal italiano 'La Gazzetta dello Sport' durante evento em Rovereto, na Itália. 
Presidente da Ferrari, Sergio Marchionne ficou extremamente irritado com os problemas em Sepang (Foto: Getty Images)
Marchionne prometeu mudanças na parte operacional e na produção de peças e confessou que esperava ter esse tipo de problema até mais vezes em 2017.
 
"De qualquer forma, estamos trabalhando para corrigir isso. Foi meio que sorte a gente não ter tido problema algum antes do GP da Malásia. Estamos mexendo agora na parte de produção, mas também promovendo algumas mudanças na nossa organização. Ter esse problema na corrida nos deixou bem bravos", seguiu.
 
Sem medir as palavras, o dirigente tratou como um vexame o que aconteceu com Räikkönen antes do início da corrida e, consequentemente, gerou seu abandono.
Sebastian Vettel não completou nenhuma volta rápida na classificação (Foto: Ferrari)
"Não é um problema tão grande quando um defeito desses acontece na fábrica, durante os testes, mas é muito feio quando você está no segundo lugar do grid e simplesmente não consegue largar", completou.
 
Apesar de seguir com chances de título no Mundial de Pilotos com Vettel após a recuperação e o quarto lugar em Sepang, a Ferrari está 118 pontos distante da Mercedes no Mundial de Construtores, ainda que tenha tido ritmo superior ao da rival em basicamente metade das provas já disputadas.

PLANEJANDO FUTURO

LÍDER DO EUROPEU DE MOTO2, GRANADO MIRA VOLTA AO MUNDIAL