Presidente da FIA apoia expansão das atividades das equipes para além da Fórmula 1

Presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Jean Todt defendeu a redução no teto orçamentário da Fórmula 1. O dirigente também elogiou a ideia de que as equipes expandam suas atividades para outras categorias

Presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Jean Todt vê com bons olhos a ampliação das atividades das equipes para além da Fórmula 1. O dirigente francês comentou que gostaria, por exemplo, de ver times como Ferrari, Mercedes e Red Bull correndo nas 24 Horas de Le Mans.

Depois de muito debate, a F1 conseguiu um acordo para baixar o teto orçamentário. No início de maio, o Mundial concordou que o limite de gastos, antes estipulado em US$ 175 milhões (R$ 974 milhões), agora passa para a casa de US$ 145 milhões (ou R$ 807 milhões).

A mudança, porém, vai impactar o quadro de funcionários das equipes. A Mercedes, porém, já admitiu que vai acabar com funcionários ociosos e, por isso, falou até em olhar para outras categorias.

Jean Todt comanda a FIA desde 2009 (Foto: Divulgação)
Paddockast #65 | As ideias esdrúxulas de retorno/As boas ideias de Lewis Hamilton
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

“Para nós, [o teto orçamentário] significa reajustes. Significa mudar nossa forma de agir e realocar funcionários para novas áreas. Temos um departamento muito forte, o de ciências aplicadas, onde trabalhamos com clientes de alta performance. Talvez a gente olhe para outras categorias para manter nossos recursos humanos, nossa propriedade intelectual dentro da Mercedes. Quem sabe?”, disse Toto Wolff, chefe da Mercedes.

A Ferrari, por sua vez, estima que 350 postos de trabalho vão ser afetados pela mudança orçamentária. E, assim, considera ampliar o leque de atividades, expandindo para o Mundial de Endurance e até mesmo para a Indy.

“A Ferrari sente muita responsabilidade social com seus empregados. Queremos estar seguros de que haverá espaço para todos no futuro. Por isso, começamos a avaliar programas alternativos. Como a Indy, por exemplo, que atualmente é uma categoria muito diferente da F1, mas tem uma mudança nas regras programada para 2022. Também observamos o mundo do endurance e outras categorias. Tentaremos tomar a melhor decisão”, revelou Mattia Binotto, chefe da escuderia de Maranello, em entrevista à emissora de TV italiana Sky Sports.

Apesar dos previstos impactos da mudança no limite de gastos, Todt confia que foi a melhor decisão para a F1.

“Tínhamos de ser ambiciosos, porque com os custos de antes, a F1 é insustentável”, disse Todt ao jornal italiano ‘Corriere delle Sera’. “A diferença entre os times grandes, médios e pequenos era muito grande”, reconheceu.

Além disso, Todt reconheceu que enxerga como uma boa opção essa expansão nas atividades das equipes.

“Sou sempre otimista. Qual o sentido de gastar mais de meio bilhão de dólares por ano em uma categoria? Isso é ruim para o esporte”, apontou. “Como em todos os setores da economia, vai acontecer uma redução no staff da Fórmula1 e eles terão a oportunidade de trabalhar em outro lugar”, ponderou.

“Quando eu era jovem, pilotos como Jim Clark e Jochen Rindt corriam em várias categorias ao mesmo tempo. Foi uma grande era”, frisou. “Eu ficaria feliz em ver Ferrari, Mercedes e Red Bull lutando juntas com os times de fábrica em Le Mans”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO? Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.
Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.
Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube