Presidente da FIA ‘empurra’ culpa de limite de três motores em 2018 para equipes: “Tinha gente querendo que fosse um só”

Jean Todt, presidente da FIA, deixou claro que a decisão de limitar a apenas três a quantidade de motores por carro na temporada 2018 - e a punição para quem exceder o limite seguir no formato de perder posições do grid de largada - foi das equipes. Assim, terá de viver com isso

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Se depender do presidente da FIA, Jean Todt, as equipes terão que lidar com o limite de três motores por temporada imposto para 2018. Afinal, segundo aponta o antigo chefe da Ferrari, foram elas próprias que definiram este como o modelo há algum tempo. 

 
Em Abu Dhabi para o encerramento da temporada, Todt falou sobre a questão, que surgiu com força nos últimos meses especialmente pelas muitas punições no grid de largada que problemas de confiabilidade forçaram. As esquipes ligaram o limite de três unidades de força de 2018 – uma a menos de que neste 2017 – como uma garantia de que as punições enormes e constantes irão continuar por mais um ano. 
 
"Eu vou dizer que foi consensual – entre todos – que as punições seriam através de posições no grid. Então é isso", afirmou. "Se formos falar de três motores por ano, isso é algo que foi decidido. Havia até gente questionando 'Bem, por que não ficamos com apenas um motor por todo ano?'", contou.
 
O dirigente lembrou que as regras podem ser mudadas, mas apenas se houver unanimidade sobre uma solução na última reunião do ano do Grupo de Desenvolvimento – o que provavelmente não irá acontecer. 
 
"Não é algo novo: está decidido desde anos atrás para 2018. Tivemos reuniões com todos os times – e com a forma como as regras são feitas, como a governância é tratada, precisávamos de decisão unânime para mudar para quatro motores. Então vamos ficar com três", seguiu.
Jean Todt (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Todt também deixou claro que não gosta das punições com posições no grid, mas é um acordo geral. "Precisamos ser claros: eu não gosto de ver que uma equipe perdeu 100 posições de grid durante o ano enquanto outras equipes não sofreram qualquer punição. Corridas são uma combinação de coisas, e o segredo do sucesso é otimizar cada aspecto ao máximo. Se você fizer isso, chega onde quer", avaliou.
 
Por fim, lembrou que a restrição ao limite de motor é uma questão orçamentária.
 
"Claramente a F1 é cara demais. Há uma grande discrepância entre os times pequenos e grandes. Foi decidido por causa do preço que precisávamos liitar o número de motores [por temporada]. E também para dar algum acesso para fornecedoras independentes entrarem na F1 por um custo menos", encerrou.
“CHORAVA COMO UM BEBÊ”

FÉLIX DA COSTA REVELA TRISTEZA APÓS PERDER CHANCE NA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube