Primeiro dia de treinos na China mostra empate técnico entre Mercedes e Ferrari. E põe Red Bull na cola. Mas só para corrida

É bem verdade que Lewis Hamilton liderou as duas sessões livres na China, nesta sexta-feira (13), mas há de se destacar o desempenho apresentado pela Ferrari, especialmente na parte complementar – a que vale mesmo. Kimi Räikkönen se aproximou bem do inglês, dando pinta de que a disputa da pole será das mais acirradas. Para o domingo, a Red Bull já se coloca forte ao exibir um ritmo de corrida até melhor que o de Hamilton

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Mercedes chega à China quase desesperada para dar o troco na Ferrari. Apontada como favorita desde a pré-temporada, a equipe inglesa ainda não conseguiu emplacar vitórias e viu a rival italiana faturar as duas primeiras corridas em cima da estratégia e do risco. Agora, em uma pista que casa com seu carro e onde tem um retrospecto poderoso, o time prata apenas busca preencher as lacunas que restam e não deixar espaço para um novo revés. Acontece que o primeiro dia de treinos em Xangai revelou um cenário um pouco mais traiçoeiro para os atuais campeões e que pode complicar a meta de conquistar o primeiro triunfo de 2018.

 
O carro prateado ainda gosta da longa reta chinesa e da pista bem fluída, tanto que Lewis Hamilton liderou as duas sessões nesta sexta-feira (13), mas a vantagem que mostrou no TL1 foi completamente anulada no treino complementar, que é a atividade que estabelece aquilo que possivelmente será visto na corrida. Assim, a Mercedes não nada de braçada no circuito onde manda desde o início da era dos motores V6.
Lewis Hamilton foi o mais veloz do dia em Xangai (Foto: AFP)
É bem verdade que Hamilton foi o mais veloz do dia, mas o ritmo de classificação e o desempenho em corrida não colocam a Mercedes como favorita absoluta. O tetracampeão cravou em sua melhor volta 1min33s482, usando os pneus ultramacios. O tempo foi apenas 0s007 mais rápido do que a marca de Kimi Räikkönen, que novamente se apresentou melhor do que Sebastian Vettel no início dos trabalhos. Mas o que impressiona é que a diferença entre o top-4 foi de apenas 0s108. Vettel fechou a sexta-feira em quarto. Correndo por fora — falaremos dela a seguir —, a Red Bull pôs Max Verstappen 0s341 atrás do inglês. A equipe austríaca parece mais longe da primeira pole, desta vez. 
 
O tempo de Hamilton se deve, e muito, ao melhor rendimento no setor intermediário do circuito chinês, enquanto as Ferrari conseguiram melhores marcas no primeiro e no terceiro setores – ainda que Valtteri Bottas também tenha mostrado uma performance veloz na parte final do circuito. Novamente – e como o próprio Hamilton falava antes do fim de semana -, a velocidade de reta dos carros vermelhos os coloca em uma posição de vantagem. Já a Mercedes, como tem acontecido, vai melhor nas curvas de maior velocidade. Quer dizer, a combinação de forças aí demonstra que a classificação será apertada e definida nos detalhes neste sábado.
 
Ainda, o jogo de tabuleiro que as duas principais equipes vêm travando deve seguir para a prova de domingo. E será ainda mais tenso, levando em consideração os testes feitos com os compostos macios e médios nesta sexta-feira. Há uma similaridade de desempenho entre as três principais equipes no que diz respeito à simulação de corrida.

O líder da Mercedes teve a mesma avaliação. "Ferrari e Red Bull parecem muito rápidas em ritmo de corrida", comentou Hamilton. "É bom ver as equipes bem próximas, mas isso também significa que precisamos dar nosso melhor. Todo mundo na equipe precisa estar pronto no fim de semana porque é um esforço conjunto", seguiu.

 
O #44 aparece ligeiramente à frente, especialmente pela capacidade de neutralizar o desgaste excessivo dos ultramacios. Calçado com os compostos roxos, Hamilton se mostrou forte, andando em média na casa de 1min39s1. Bottas não ficou longe do colega, repetindo os tempos, mas sem a mesma constância do britânico. A Mercedes, de fato, apresenta um ritmo consistente, mas não está só. A Red Bull veio bem neste quesito, com Max Verstappen virando também em 1min39s baixo. Sebastian Vettel andou em 1min38s0 nesta fase e na mesma configuração, mas deu menos voltas que os rivais. Ainda assim, é possível dizer que o ritmo está extremamente similar entre as três ponteiras. Tanto que nem os pilotos conseguem mensurar a hierarquia de forças. 
Sebastian Vettel ainda não sabe onde a Ferrari está (Foto: Ferrari)

“Acho que o carro tem ritmo, mas precisando nos assegurar de que ele está funcionando. Hoje tive sensações mistas. Durante a tarde eu fiquei um pouco mais feliz, mas espero que amanhã eu consiga fica muito feliz”, disse Vettel após os trabalhos.

 
Os prateados também dedicaram tempo aos compostos macios e médios, em uma avaliação daquilo que pode acontecer na corrida, uma vez que o desgaste do ultramacio é grande no exigente asfalto chinês. De qualquer forma, o desempenho com os pneus macios e médios acabou prejudicado pela chuva que atingiu a pista nos dez minutos finais.

E o cenário da Red Bull foi bem colocado por Verstappen: "O ritmo foi bom, especialmente nos long-runs. Fiquei feliz com a forma como o carro se comportou muito bem lá. Em volta lançada, acho que nós ainda podemos melhorar um pouquinho, mas não há problemas, o que é bom, Os pneus ainda não estiveram totalmente prontos, mas também foi uma história parecida com a do Bahrein. Então mudei o mapeamento, e isso foi bom. Nós temos de ter uma boa classificação". 

 
O top-3, então, surge mais compacto, especialmente com relação a expectativa para a corrida. O mesmo se pode dizer do grupo intermediário. Desta vez, um impressionante Nico Hülkenberg liderou o pelotão, mostrando que a Renault tem potencial, embora ainda falte força para alcançar algo a mais. Kevin Magnussen colocou a Haas ali perto dos franceses e, novamente, exigiu um ritmo de corrida fortíssimo. Fernando Alonso ainda foi capaz de colocar a McLaren na décima colocação, abrindo uma interessante vantagem para a Force India, que tenta se reencontrar para retomar a posição de destaque no grupo do meio.

Há de se falar também de dois destaques negativos: o pouco desempenho da Williams, especialmente com Lance Stroll, último colocado. E Romain Grosjean, que parece perdido uma Haas que consegue colocar Kevin Magnusen no top-10.

A F1 volta à pista neste sábado para o terceiro treino livre, marcado para 0h (horário de Brasília), e depois para a definição do grid de largada, que vai acontecer às 3h. O GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e em TEMPO REAL todas as atividades de pista do GP da China, terceira etapa da temporada 2018 da F1.

”O IMPORTANTE NÃO É SÓ LEVAR DINHEIRO”

SETTE CÂMARA TRAÇA F1 COMO META E MIRA CARREIRA SÓLIDA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube