Projetista da Red Bull aprova e diz que Shield é melhor que Halo como proteção de cockpit na F1

Adrian Newey, projetista da Red Bull, aprovou a escolha da FIA quando a adoção do Shield como elemento para ampliar a proteção do cockpit. Mas o austríaco entende que a entidade está atrasada quanto à evolução e que isso pode afetar o trabalho das equipes para introdução o elemento nos carros de 2018

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Projetista da Red Bull, Adrian Newey saiu em defesa e aprovou o Shield, um novo conceito para a proteção do cockpit dos carros da F1, que é uma espécie de escudo inspirado no aeroscreen da própria equipe das bebidas energéticas. O austríaco entende que o elemento é uma solução muito melhor que o halo, recurso que detinha a preferência da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) anteriormente. O engenheiro, entretanto, fez um alerta e disse que é preciso acelerar o desenvolvimento da peça para que as equipes possam incorporá-la nos projetos para o próximo ano.

 
Depois dos testes ao longo do ano passado, a FIA desistiu do halo e passou a considerar o Shield também como uma solução melhor e mais prática para 2018 na F1. Mas o elemento ainda será testado ainda neste ano, durante os treinos livres para o GP da Itália. 
 
E Newey, cuja equipe liderou o desenvolvimento do aeroscreen no ano passado, disse que vai ficar contente em ver o Shield nos carros de 2018, desde que não haja problemas de visibilidade. "Acho que é uma solução melhor do halo, com certeza", afirmou o projetista da Red Bull.
Adrian Newey durante a classificação para o GP da Austrália (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Acredito que a primeira coisa que temos de verificar é a visibilidade, para ter certeza que é uma opção viável. Se a distorção for demais, então não devemos nem começar a desenvolver. Em termos de ter um cockpit fechado, então acho que seja grande coisa agora, para ser honesto. Mas acho que está ficando um pouco apertado para introduzirmos em 2018", acrescentou.

 
O engenheiro também entende que a F1 deve trabalhar ainda mais para reduzir os riscos associados às rodas soltas e outras partes, e não somente a um dispositivo para proteger o habitáculo. Após a morte de Justin Wilson em 2015, que perdeu a vida depois de ser atingido na cabeça por destroços de outro carro, a Indy adicionou soluções de alta resistência para ajudar a manter os dispositivos aerodinâmicos fixados. 
 
"Sinto que há coisas que podem ser feitas para minimizar o risco, particularmente no que diz respeito a rodas soltas e detritos. As ligações nas rodas ainda não estão 100%, ainda vemos ocasionalmente rodas escaparem. A Indy conseguiu resolver, ainda que seja uma boa solução provisória. Nós criamos algo, mas não houve muita ação até agora. Acho que tudo ainda está em discussão", emendou.
 
PADDOCK GP #81 RECEBE TEO JOSÉ

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube