Promotor diz que “nada muda” para GP do Brasil com venda da F1 e vê adaptação rápida de Ecclestone à nova estrutura

Em entrevista ao GRANDE PRÊMIO, Tamas Rohonyi, promotor do GP do Brasil de F1, não viu com surpresa a venda da maior das categorias e entende que, a rigor, nada muda no que diz respeito à relação entre o Mundial e suas etapas e nem no próprio campeonato. Mas prevê ajustes ao longo prazo na maneira que a séria será comandada

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Promotor do GP do Brasil de F1, Tamas Rohonyi não viu com surpresa a venda da maior das categorias do automobilismo no mundo. E disse mais. No que diz respeito ao comando e às decisões, nada muda, especialmente por Bernie Ecclestone vai seguir como mandachuva do campeonato por mais alguns anos. 

 
Nesta quarta-feira, a Liberty Media, grupo de mídia dos Estados Unidos, comprou 18,7% das ações do Mundial que a 

 possui – o grupo detinha o poder acionário da F1 desde 2006. O acordo será completado com outras formas de pagamento. Provavelmente, já no primeiro quadrimestre de 2017, a Liberty Media passa a dar as cartas na F1. O acordo é superior a R$ 20 bilhões.

 
Por enquanto, a CVC segue no comando da F1. E isso vai durar até que o acordo esteja completamente pago. A expectativa é que aconteça no primeiro quadrimestre de 2017. Ecclestone, também acionista, vai seguir como diretor-executivo no negócio.
 
Falando ao GRANDE PRÊMIO, Rohonyi viu com entusiasmo o negócio e crê em mudanças, mas entende que o processo de transição vai levar tempo e só será realmente concluído ao longo da temporada 2017. “Não foi surpresa. A necessidade de a CVC vender as ações em um prazo de dez anos já era conhecida. O prazo se encerrou neste ano, e isso já era bastante conhecido pelo mercado também. Mas, na verdade, se você olhar a forma como foi feito o negócio, nada muda“, disse o promotor húngaro. 
Tamas Rohonyi anda ao lado de Bernie Ecclestone em Interlagos (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
“A CVC continua acionista, o Bernie segue como CEO e mandachuva. Para nós, não muda absolutamente nada, da mesma forma que não mudou quando a CVC comprou as ações lá trás”, lembrou o dirigente.

 
Questionado se enxerga Ecclestone aceitando bem um eventual aumento da participação da F1 em mídias sociais e uma abertura maior com relação aos fãs e ao entretenimento de maneira geral – o chefão inglês é conhecido por ter opiniões controversas e costuma levar a categoria com mãos de ferro no que se refere à interação –, Tamas respondeu que o britânico vai se ajustar às novas exigências. 
 
“Eu acho que sim, porque certamente ele pensou em tudo isso antes de aceitar o negócio. Quer dizer, ele deve ter pensado muito no assunto antes de decidir continuar com essa nova estrutura, mas será rápido. Agora como a coisa vai evoluir, com as ideias novas, ainda não sei, acho que ainda é muito cedo para dizer algo neste sentido”, explicou.
 
Por isso, Rohonyi reitera que a F1 vai passar por mudanças, mas nada muito radical – por enquanto. “Ninguém compra uma empresa para deixar tudo do jeito que está. Acho que o que eles vão tentar fazer é aumentar a visibilidade, tentar introduzir algum elemento novo, mas confesso a você que não sei como será e acho que ninguém sabe ainda. É muito cedo”, ressaltou.
 
“Então, não vejo uma mudança radical, ao menos não a curto prazo. Mas isso ainda vai ser trabalhado em reuniões com Bernie para ver onde dá para melhorar, isso é óbvio. Agora, até implementar algo novo vai levar tempo, acho que 2017 inteiro ainda.
 
Perguntado então se mudaria algo na F1 se pudesse se reunir com os novos proprietários, o organizador da etapa brasileira do Mundial disse que o campeonato é bom e que as alterações necessárias já estão sendo providenciadas. “Eu acho que o espetáculo é muito bom da maneira que está. Agora, para mudar alguma coisa, é preciso mudar o regulamento técnico. Isso já foi feito, tanto é que, para 2017, os carros terão outra configuração, outros pneus, por isso eu acho, pessoalmente, que, em 2017, será um ano de grandes surpresas. Acho que o domínio de uma única equipe vai desaparecer”, acrescentou o promotor.
 
Por fim, Tamas deixou claro que, para os organizadores e praças do Mundial, nada muda com os novos proprietários. “Temos contrato até 2020. A prefeitura de São Paulo está cumprindo o acordo de renovar e melhorar Interlagos brilhantemente. Eu posso dizer a você que Fernando Haddad continua sendo um grande apoiador e sempre foi extremamente correto conosco”, encerrou.
PADDOCK GP #45 COMENTA FIM DE SEMANA COM F1, INDY, MOTOGP E WEC

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube