Punido 17 vezes, Maldonado admite que precisa mudar para ficar “longe dos comissários”

Com 17 punições apenas nesta temporada, Pastor Maldonado admite que precisa melhorar para evitar mais penalizações até o final da temporada e diz que vai avaliar melhor o momento de ser agressivo durante as corridas

Punido três vezes no final de semana do GP da Bélgica, uma no sábado (1), após o treino classificatório, e duas no domingo (2), após a corrida, Pastor Maldonado não vai largar entre os dez melhores do grid mais uma vez. Sabendo que precisa melhorar, o venezuelano admitiu que precisa melhorar para não tomar uma suspensão como a de Romain Grosjean, que está fora do GP da Itália, que acontece neste final de semana.

“Em Spa, seguramente, não foi bom. Esperamos que aqui sejamos muito mais competitivos, nesta pista de grande velocidade. No sábado, lá em Spa, tivemos uma punição, em que não podíamos fazer nada com relação a ela, a não ser pensar adiante. E aprender com os erros que cometemos”, disse o piloto à imprensa que está em Monza para acompanhar o GP da Itália.

“Tenho de tratar de melhorar. E isso é parte do meu trabalho. Mas tenho de pensar, sobretudo, em ficar longe dos comissários, para que não tenha mais punições. Este ano tem sido muito duro e não só comigo, mas também com o restante dos pilotos”, explicou o venezuelano, dono de 17 punições apenas neste ano.

Terceiro colocado no grid na Bélgica, Maldonado foi punido e caiu para sexto. Ele ainda levou duas punições ao final da corrida (Foto: Sauber)

Ele se mostrou bastante preocupado com as seguidas punições que vem recebendo e ressalta que precisa melhorar. “Claro que essas seguidas punições me preocupam um pouco, sim. São realmente muitas punições neste ano. Mais do que ano passado”, afirmou.

“Acho que muitas vezes os comissários foram muito duros comigo e outras, não. Mas isso é como no futebol: faz parte do jogo. E para solucionar isso o que devemos fazer é procurar ficar longe da sala dos comissários e ficar longe também dos problemas de pista. E agora o objetivo é tentar melhorar isso, particularmente”, contou.

Para Maldonado, duas coisas mudaram para este ano com relação às manobras na pista. Primeiro, o venezuelano diz que na GP2, categoria em que corria antes, não há muitas regras sobre isso. E segundo, os comissários estão sendo mais duros do que no último ano, o que aumentou consideravelmente o número de punições.

“Na GP2, não tínhamos as regras como se tem na F1. Os comissários não eram tão duros como estão sendo, sobretudo, neste ano. Porque no ano passado não era assim. Este ano estão sendo mais duros. Nós sabemos o que é possível e o que não é possível fazer. Mas é difícil de dizer como os comissários vão ver as coisas”, falou.

“Mas acho que os comissários também estão avaliando as punições de acordo com as possíveis consequências dos incidentes, por isso estão sendo mais duros. E temos de respeitar”, prosseguiu.

Em sua segunda temporada na F1, Maldonado admite que precisa melhorar (Foto: Williams/ LAT Photographic/ Charles Coates)

O piloto relembra que, quando não foi punido, conseguiu bons desempenhos, como a vitória no GP da Espanha, mas diz que vai precisar reavaliar seu estilo de pilotagem em alguns momentos durante as corridas.

“Agora também tenho de avaliar bem quando ser e quando não ser agressivo demais. Neste momento, está tudo muito junto. Nas corridas em que não fui punido, conseguimos desempenhos competitivos. Agora temos de trabalhar duro para primeiro: ficar longe dos comissários. E segundo: somar pontos que são importantes para a equipe”, encerrou.

O Grande Prêmio cobre 'in loco' neste fim de semana a 13ª etapa do Mundial de F1, o GP da Itália, direto de Monza, com Evelyn Guimarães. Acompanhe o noticiário aqui

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube