F1

Räikkönen lidera último dia de teste dominado pelos motores Ferrari em Jerez. Massa fecha em 5º com Williams

Kimi Räikkönen, 1min20s841; Sebastian Vettel, 1min20s984: com estes tempos a Ferrari deixa a primeira bateria de testes da pré-temporada da F1 nas duas primeiras posições. Felipe Massa também andou nesta quarta (4)
Warm Up, de Jerez de la Frontera / RENAN DO COUTO, de Jerez de la Frontera
 Kimi Raikkonen (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
A Ferrari, tanto como equipe quanto como fornecedora de motores, dominou a semana de testes da F1 em Jerez de la Frontera.

A escuderia de Maranello liderou três dos quatro dias de atividades na Espanha. No outro, foi a Sauber, equipe que usa motores Ferrari, que terminou na frente. Para tornar o cenário ainda mais positivo para a marca italiana, os dois melhores tempos da semana foram marcados por Kimi Räikkönen e Sebastian Vettel.

Na tarde desta quarta-feira (4), Räikkönen cravou 1min20s841 usando pneus macios para garantir a liderança geral da primeira bateria de testes da pré-temporada. Esse tempo foi 0s1 mais baixo que o de Vettel na segunda-feira, também com compostos macios. Depois, no geral, ainda aparece Nasr, com 1min21s545 na Sauber. Além disso, em todos os quatro dias, apenas essas duas equipes concluíram os trabalhos nas duas primeiras posições.

As imagens dos testes da F1 em Jerez


Falando mais especificamente dos trabalhos da quarta-feira, Räikkönen permaneceu no topo durante todo o tempo. O finlandês já havia fechado a parte da manhã no topo e baixou ainda mais seu tempo à tarde para garantir a posição.

Marcus Ericsson que cresceu e anotou 1min22s019 para alcançar o segundo posto. E Lewis Hamilton, que chegou a provocar uma bandeira amarela na parte da manhã após rodar na chicane Ayrton Senna, fechou em terceiro com 1min22s172. Os três mais velozes também foram os três que superaram a casa das 100 voltas.

Além da paralisação provocada por Hamilton, outras três aconteceram. Pela manhã, a Red Bull de Daniil Kvyat parou na pista e teve de ser removida com o auxílio de um veículo de resgate. Depois disso, o russo ficou um bom tempo nos boxes antes de voltar a andar e dar um total de 62 voltas. A terceira, já no fim da tarde, se deu porque a placa do DRS no início da reta dos boxes caiu no meio do traçado. Um fiscal precisou adentrar no circuito para pegá-la. E a quarta foi logo depois disso, praticamente encerrando o treino: a Sauber de Ericsson parou entre as curvas 9 e 10. Foi a primeira vez que o carro do time suíço parou na pista por uma razão mecânica: a checagem do sistema de combustível.

Fora isso, um dia bem tranquilo — como todos os outros.

Felipe Massa foi o quinto colocado no derradeiro dia, com 1min23s116 como melhor volta. Ontem, o brasileiro havia sido mais rápido do que isso: 1min22s276. Ao todo, completou 144 voltas nos dois dias em que trabalhou em Jerez.

E até a McLaren-Honda foi capaz de andar bastante: 35 voltas com Jenson Button. O inglês foi atrapalhado, de manhã, por uma falha nos níveis de óleo do carro e, à tarde, pela bomba de combustível. Ainda assim, a McLaren jamais tinha andado tanto quanto nesta quarta com o MP4-30.

Em termos de quilometragem, ninguém se deu tão bem quanto a Mercedes. Foram quase 2500 km percorridos com Hamilton e com o alemão Nico Rosberg ao longo dos últimos quatro dias. A Toro Rosso e a Sauber seguiram.

A próxima bateria de testes do Mundial de F1 acontece entre 19 e 22 de fevereiro em Barcelona, na Espanha.

F1, Treinos coletivos, Jerez de la Frontera, dia 4:

1 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI 1:20.841   105
2 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI 1:22.019 +1.178 111
3 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:22.172 +1.331 115
4 33 MAX VERSTAPPEN HOL TORO ROSSO RENAULT 1:22.553 +1.712 97
5 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES 1:23.116 +2.275 73
6 8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS MERCEDES 1:23.802 +2.961 53
7 26 DANIIL KVYAT RUS RED BULL RENAULT 1:23.975 +3.134 62
8 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA 1:27.660 +6.819 35

PARA VOLTAR A VENCER

Vencedor. É o que Felipe Massa espera que o carro que está conhecendo nesta terça-feira (3) se torne na temporada 2015 da F1.
 
“Passo à frente” é o que mais se ouve na Williams — grande outra vez. A sensação de otimismo que há no time mostra existir a certeza de que o terceiro lugar no Mundial de Construtores não foi uma exceção, a crença de que a reestruturação feita nos últimos 18 meses permite ao time sonhar sem medo em voltar ao degrau mais alto do pódio.

Leia a entrevista exclusiva de Felipe Massa ao Grande Prêmio.
SEM ACERTO 

Os carros da IndyCar Series não vão vir novamente ao Brasil em 2015. A categoria anunciou no fim da noite desta segunda-feira (2) que desistiu de realizar a prova depois do cancelamento da corrida marcada para Brasília e da tentativa de transferi-la para Goiânia.
 
"A Indy explorou várias possibilidades para tentar achar uma etapa de substituição em virtude do cancelamento da prova de 8 de março em Brasília. Devido ao pouco tempo de planejamento e o limitado númeo de opções, a categoria concluiu que não era possível organizar uma troca naquele fim de semana", explicou o comunicado da categoria. "A Indy vai determinar outras oportunidades para suas equipes e pilotos em breve, depois de uma revisão do atual calendário de testes", completou a nota.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.