Recordista de poles, Hamilton diz nunca ter feito “a volta perfeita” na carreira na F1. E está feliz com isso

Tetracampeão, recordista de pole e segundo homem com mais vitórias na F1, Lewis Hamilton ainda acha que está longe da perfeição. O inglês garantiu que nunca conseguiu completar o giro perfeito na carreira e que essa é a beleza do esporte

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Lewis Hamilton é tetracampeão mundial de F1, o segundo piloto maior vencedor de GPs e o homem que mais vezes largou da posição de honra do grid. Guiando uma afinadíssima Mercedes, o inglês de 33 anos começa 2018 como grande favorito ao título. Mas o britânico quer mais. Muito mais. Quer ser o melhor de sua geração e ainda está em busca da "volta perfeita" na carreira. Segundo o #44, apesar de todas as poles, jamais foi capaz de completar um giro sem qualquer erro. E está feliz por isso.

 
Hamilton entende que a procura pela perfeição é o que o move no esporte. "Eu nunca fiz uma volta perfeita, nunca", assegurou Lewis ao ser questionado durante sua última entrevista coletiva, também acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO, em Barcelona, onde o Mundial realizou os testes da pré-temporada. 
Lewis Hamilton está atrás da volta perfeita. Mas não quer encontrá-la logo (Foto: Mercedes)
"A volta perfeita? Não, nunca fiz. E essa é a beleza deste esporte. Você nunca é perfeito", afirmou o piloto que tem no currículo 72 pole-positions e 62 vitórias em 11 temporadas na F1. "Você pode chegar perto, talvez. Mas imagine se nessas 30 mil voltas que já fiz, ou mil ou 10 mil, seja lá quantas, fossem perfeitas. Seria chato demais. Eu perderia a motivação rapidamente. Você sempre tem de ir atrás de algo que é mais difícil. E não há lugar melhor para isso do que a F1. Então, se fosse perfeito, seria uma droga", completou.
 
Hamilton, então, reforça que tal perfeição é impossível. E que até evitaria de encontrá-la se pudesse. "O melhor deste esporte é que o carro está sempre evoluindo, sempre há um desenvolvimento que o torna mais rápido. Além disso, vivemos situações diferentes a cada fim de semana. Temos dias bons e dias ruins, acordamos do lado bom da cama e, às vezes, do lado ruim. Por isso, acho difícil ter uma volta perfeita."
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Na verdade, eu me esforço para alcançar a volta perfeita e é uma ótima sensação quando você se aproxima disso, mas também fica frustrado quando descobre que poderia ter sido melhor", acrescentou.
 
A F1 abre a temporada neste fim de semana com o GP da Austrália, em Melbourne. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube