Red Bull admite que agiu para evitar repeteco de Barcelona e venceu com “vingança”

Chefe da Red Bull, Christian Horner foi claro ao dizer que a derrota da Catalunha estava na cabeça ao pensar na estratégia para GP da França

Marc Márquez passou 581 dias sem vencer (Vídeo: MotoGP)

Há algumas semanas, no GP da Espanha, a Mercedes chamou Lewis Hamilton para uma parada extra enquanto a Red Bull manteve Max Verstappen na pista. Na reta final, o inglês passou e comemorou mais uma vitória. No GP da França, realizado neste domingo (20), a Red Bull lembrou disso e agiu de maneira que não se repetisse. O que conquistou foi vitória e vingança.

Verstappen perdeu a posição para Hamilton na primeira curva, mas recuperou após um undercut de sucesso inesperado na janela de pit-stops. Mas o ponto-chave sequer foi esse. O holandês liderava por 3s5 quando foi novamente para os boxes trocar seus pneus duros por médios a 19 giros do fim. A parada foi tentativa de evitar que o fantasma de Barcelona reaparecesse.

O resultado, na prática, foi uma vingança. Desta feita, a Mercedes resolveu ficar na pista para tentar a vitória numa parada só. Na penúltima volta, porém, Verstappen deixou Hamilton para trás e, com direito à melhor volta da corrida, venceu e ampliou a liderança do campeonato.

CHRISTIAN HORNER; RED BULL; GP DO BAHREIN; FÓRMULA 1;
Christian Horner admite: foi vingança (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Paddockast #108: As ‘asas da discórdia’ na briga pelo título da F1

“Foi uma corrida interessante, porque o vento pegou Max e ele teve sorte em sobreviver à primeira volta. Com Lewis em caminho livre, dava para para ver que ele era muito forte nos setores um e três. Pensamos antes da corrida que o undercut não seria muito poderoso quanto acabou sendo”, admitiu Horner.

“Fizemos mesmo assim com Max e o ritmo na volta de saída foi fenomenal. Depois, ficamos na posição horrível de Barcelona e concluímos que eles não podiam fazer aquilo conosco de novo. Então, fomos para o pit-stop e era com Max para recuperar”, lembrou.

Em entrevista para a Sky Sports, rede de TV inglesa, Horner estava lado a lado com Toto Wolff, chefe da Mercedes, e aproveitou para provocar. “Hoje foi a vingança por Barcelona. A [vingança] pelas asas dianteiras ficam para daqui a umas semanas”, disse.

A provocação, claro, é relacionado à celeuma das asas flexíveis. A Mercedes questionou junto à FIA as asas traseiras da Red Bull e conseguiu a revisão das regras. Agora a Red Bull quer o mesmo para as asas dianteiras da rival.

A Fórmula 1 continua já no próximo fim de semana, com o GP da Áustria. E é na casa da Red Bull, no Red Bull Ring, em Spielberg. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.

Briefing: TUDO sobre o GP da França de F1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar