Red Bull assegura Mundial de Construtores da F1 2022 e quebra hegemonia da Mercedes

Com uma vitória de Max Verstappen neste domingo (23), em Austin, a Red Bull se tornou a primeira equipe a interromper a supremacia estabelecida pela Mercedes dentro da era híbrida – quer dizer, desde que a F1 adotou os motores V6 turbo, em 2014. Com uma campanha muito perto da perfeição e contando com rivais erráticos em 2022, os taurinos garantiram por antecipação o título do Mundial de Construtores. É a quinta taça dos energéticos

Desde que adotou motores V6 turbo e híbridos, a Fórmula 1 só viu uma equipe celebrar o título do Mundial de Construtores. A Mercedes estabeleceu uma supremacia nunca vista na história ao dominar um regulamento que lhe rendeu oito taças do mundo de forma consecutiva, entre 2014 e 2021. Foi um domínio tão poderoso que o Mundial precisou introduzir uma nova geração de carros para que a esquadra alemã pudesse ser combatida. E quem se saiu melhor nessa tarefa foi a Red Bull. Os taurinos não só tiveram sucesso na interpretação do conceito do efeito-solo, como também contaram com uma performance madura e habilidosa do agora bicampeão Max Verstappen. Essa combinação resultou no quinto título, garantindo neste domingo (23), nos Estados Unidos, após mais um triunfo categórico do holandês.

A vitória da Red Bull também é muito emblemática por outras razões. A conquista vem após um 2021 em que a equipe austríaca atingiu um patamar técnico absurdo, a ponto de encarar a Mercedes de igual para igual em uma temporada das mais disputadas em décadas. Ainda que tenha acabando em envolta de uma enorme polêmica, a briga entre Max e Lewis Hamilton será para sempre lembrada por seu roteiro épico e avassalador. Não há dúvidas que a experiência vivida no ano passado moldou a Red Bull e o próprio Verstappen, que se saiu vencedor em Abu Dhabi.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Max Verstappen garantiu o bicampeonato no GP do Japão, há duas semanas (Foto: Red Bull Content Pool)

Por outro lado, o triunfo se dá em um momento em que a marca chora a perda de seu fundador Dietrich Mateschitz. A notícia da morte do empresário veio neste sábado e abalou a garagem austríaca em Austin, tornando a missão de fechar o campeonato quase uma questão de honra. E há ainda outro elemento: a esquadra chefiada por Christian Horner também atravessa uma fase delicada nos bastidores. A acusação de ter ultrapassado o limite de gastos na mesma temporada 2021 a colocou sob os holofotes.

Ainda não se sabe ao certo o quanto a equipe violou a regra, mas é de conhecimento público que a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) ofereceu um acordo para encerrar o assunto – na verdade, está nas mãos do time austríaco a decisão de aceitar ou se submeter a um julgamento. A situação toda implica agora em um episódio controverso, uma vez que as rivais estão de olho e cobram punições. Além disso, o caminho adotado nesse caso também joga luz sobre o futuro do teto orçamentário na Fórmula 1.

Mas se fora das pistas a Red Bull encara uma realidade atribulada e polêmica, dentro delas não há do que reclamar. A quinta taça do mundo chega em um momento de excelência técnica, muito semelhante ao período em que os taurinos comandaram a F1 entre 2010 e 2013. O novo regulamento, baseado no conceito do efeito-solo, entregou um desafio muito diferente às equipes. E os energéticos souberam como tirar o melhor da drástica mudança de regras, especialmente por ter boxes o mago Adrian Newey – provavelmente o projetista mais bem-sucedido da história da F1.

Projetista é peça fundamental no sucesso taurino (Foto: Red Bull Content Pool)

O engenheiro inglês criou um projeto sólido que transformou o RB18 no carro a ser batido ao longo da temporada 2022. Isso porque a Ferrari começou o ano com um modelo rápido e eficiente, que parecia se adaptar a todo o tipo de pista. As vitórias de Charles Leclerc no Bahrein e na Austrália foram demonstrações de força, mas acabou insuficiente diante de uma Red Bull melhor aparada em atualizações certeiras e decisões inteligentes no pit-wall.

O caso é que o carro taurino trabalhado em velocidade de reta e em uma delicada eficiência aerodinâmica permitiu que a equipe driblasse o incômodo porpoising, além de entender melhor o comportamento dos pneus.

É bem verdade que a Red Bull enfrentou problemas de confiabilidade nas primeiras etapas, mas nada disso impediu a recuperação do time e a liderança mais tarde. E se o carro não era excelente em classificação, Max fazia a diferença no domingo. Tanto é verdade que, com 19 provas das 22 programadas para 2022 disputadas, a equipe soma 15 triunfos – 13 do holandês e dois de Sergio Pérez.

Ainda, é preciso colocar na balança os rivais. A mudança de regulamento mexeu com a hierarquia da Fórmula 1. A Mercedes errou a mão de seu projeto e se viu longe de qualquer ambição de disputa, após um 2021 intenso em que se viu derrotada pela primeira vez no Mundial de Pilotos. A Ferrari, por outro lado, até ensaiou ocupar um lugar de destaque na briga, mas a escuderia se colocou fora do páreo por uma série de erros de estratégia, equívocos de seus pilotos e falta de confiabilidade.

Então, é honesto dizer que a temporada da Red Bull é coroada pela maestria com que evoluiu ao longo do ano, pela inteligência com que aproveitou todos os vacilos das adversários, mas, principalmente, pela enorme performance desse implacável Verstappen.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.