F1
29/09/2018 08:38

Red Bull põe Werhlein em “longa lista” e diz que Ocon é candidato, mas impõe condição: deixar Mercedes

A Toro Rosso não tem pressa para anunciar o segundo piloto de 2019. Segundo Helmut Marko, consultor da Red Bull, a lista de opções é bastante grande, com nomes como Pascal Wehrlein e Esteban Ocon - mas o segundo com uma condição: deixar a Mercedes
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Pascal Wehrlein (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
É verdade que Pascal Wehrlein tem na Toro Rosso a chance para voltar à F1 em 2019, mas não vai ser fácil. De acordo com Helmut Marko, consultor da Red Bull, a lista de candidatos para a vaga na equipe está bastante grande.
 
Neste sábado (29), a Toro Rosso anunciou o surpreendente retorno de Daniil Kvyat para o grid, com o russo sendo o substituto de Pierre Gasly para a próxima temporada. Entretanto, o assento ocupado por Brendon Hartley ainda precisa ser confirmado.
 
Werhlein, então, está na corrida pela vaga, mas ele não é o único. “É uma história diferente agora, sim. Ainda não tomamos nenhuma decisão, ele está em uma longa lista”, afirmou Marko ao portal ‘Motorsport’.
Helmut Marko (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Já Christian Horner minimizou o nome do piloto, reconhecendo que o alemão já está se envolvendo comoutra categoria. “Entendo que ele vai correr na Fórmula E no próximo ano”, apontou o dirigente da Red Bull.
 
Em setembro, Pascal participou de um teste com a Mahindra na Espanha, comandando um carro da FE. Boatos ligam o piloto a categoria elétrica na próxima temporada, que começa no meio de dezembro.
 
Mas Horner não descartou a possibilidade de ter Wehrlein caso a oferta seja feita. “Essa é uma discussão que teremos internamente. Há muitas opções disponíveis. Acredito que temos muito tempo, não acho que precisamos acelerar nada.”
 
Helmut seguiu as especulações ao dizer que Esteban Ocon, ainda sem lugar garantido para 2019, também tem chance de ir para a Toro Rosso. Mas o austríaco deixou claro: o vínculo com a Mercedes precisa ser encerrado.
 
“Caso ele esteja livre de todos os contratos, podemos discutir isso. Digo, todos os contratos. Nós temos uma vaga, a Mercedes não tem essa opção”, falou em entrevista ao canal 'Sky F1'.
 
E o que Hartley precisa fazer para seguir na equipe? É simples. “Superar Gasly. Ainda existem cinco ou seis corridas para terminar o ano”, encerrou.