F1
07/11/2017 09:54

Red Bull revela que tentou contratar Alonso às vésperas dos 'anos de ouro' na F1. Mas tempo de duração impediu acordo

Fernando Alonso já perdeu chances de disputar títulos por equipes das quais não entrou ou saiu pouco antes do que deveria. Muito por isso, o sonho do tricampeonato mundial ficou tremendamente improvável na carreira. Segundo o chefe da Red Bull, Christian Horner, Alonso perdeu uma dessas grandes chances com a equipe dos energéticos. Afinal, Horner ofereceu um contrato para as temporadas 2009 e 2010 - que Alonso rejeitou
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Christian Horner (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

O histórico de chances perdidas e escolhas equivocadas de Fernando Alonso na F1 é longo e reconhecido. Mesmo assim, não para de aumentar. Uma história desconhecida ganhou os holofotes após o chefe da Red Bull, Christian Horner, revelar que ofereceu um contrato para Alonso se tornar piloto da equipe nas temporadas 2009 e 2010. E Fernando foi quem negou.
 
Em entrevista para a revista 'Motor Sport Magazine', Horner contou que ele e o consultor da equipe, Helmut Marko, foram se encontrar com Alonso próximo ao fim da temporada 2008. O bicampeão em 2005 e 2006 havia deixado a McLaren após uma temporada de frustração em 2007 e havia voltado à Renault, que em 2008 não tinha condições de chegar sequer perto da briga pelo título. 
 
O contrato estava pronto. Alonso iria se juntar à equipe por dois anos, provavelmente ao lado de um Sebastian Vettel que subia da Toro Rosso com grande expectativa. Mas Alonso deu para trás. Disse que só assinaria um contrato de um ano, 2009, o que acabou estragando a chance. 
 
"Nós ficamos muito perto de assinar com Alonso", contou. "Helmut e eu fomos encontrar com os agentes dele no fim de 2008 - no que seria um acordo para as temporadas 2009 e 2010 - e oferecemos um contrato de dois anos. Ele assinaria apenas por um ano, e nós respondemos que a posição da Red Bull era um acordo de dois anos ou nada. Ele escolheu não assinar. Pensamos claramente que ele tinha um contrato com a Ferrari para 2009", seguiu.
Fernando Alonso (Foto: McLaren)
Horner também lembrou da participação de Flavio Briatore, à época já envolvido com a carreira de Alonso. Uma situação incomum, no entanto, já que Briatore era o chefe de Fernando na Renault naquela época.
 
"O mais estranho foi que Flavio [Briatore] também estava envolvido, mas estava tentando fazer com que Fernando ficasse com a Renault - da qual ele era chefe à época", lembrou.
 
A situação passou, mas não se encerrou por completo. Alonso ficou na Renault em 2009, enquanto a Brawn GP tomou a F1 de assalto na primeira metade no ano. Na segunda metade, porém, era a Red Bull de Vettel e Mark Webber que tinha o melhor carro. E Alonso tentou pegar uma estrada sinuosa para abraçar a chance que deixou pelo caminho.
 
"Em meados de 2009 eu recebi uma abordagem com alguém me perguntando se ele "poderia entrar na equipe durante o ano?", porque pensavam que ele podia ganhar o campeonato no nosso carro", revelou.
 
E não foi tudo. Alonso foi para a Ferrari em 2010 e se deparou com um domínio total da Red Bull. Vendo a situação, tentou novamente ingressar na equipe um tempo depois. Novamente não colou.
 
"Depois ainda tivemos uma outra conversa, no banco de trás de um Alfa Romeo no aeroporto de Spa, anos depois, em 2011 ou 2012. Mas a conversa mais séria foi a primeira, depois a chance se perdeu", encerrou.
 
Agora, aos 36 anos de idade, Alonso fará da temporada 2018 da F1 sua quarta seguida com uma McLaren moribunda.
FORÇA DE VETTEL VALORIZA TÍTULO

É UM PRIVILÉGIO VER HAMILTON CHEGANDO AO TETRA NO AUGE